O Código de Didaquê

O DIDAQUÊ

OU ENSINO DOS DOZE APÓSTOLOS

ENSINO DO SENHOR JESUS CRISTO ÀS NAÇÕES POR INTERMÉDIO DOS DOZE APÓSTOLOS


COMPILADO POR PASTOR JORGE PIRES CORRÊA
OUTUBRO/2001
ASSAÍ-PR

VENDA PROIBIDA

PREFÁCIO

Resolvi compilar este antigo livro que antecede ao novo testamento, para trazer luz e conhecimento à maioria dos cristãos modernos que desconhecem na sua grande maioria toda a tramitação que houve para que as escrituras sagradas chegassem até nós. O presente trabalho não tem finalidade lucrativa, é obra puramente didática, assim como os escritores originais, os Apóstolos, usaram a melhor forma didática para ensinar os preceitos que aprenderam de forma oral através do Senhor Jesus, O Cristo. Parece presunção trazer à luz e querer ressuscitar uma obra tão antiga, mas é bom lembrar que no princípio do cristianismo não existiam os livros chamados de novo testamento, observe a seguinte escala e verifique:

• Evangelho de Mateus, escrito 41 anos d.C. por São Mateus, coletor de impostos.

• Evangelho de Marcos, escrito 60 anos d.C. por São Marcos.

• Evangelho de Lucas, escrito 56 anos d.C. por São Lucas, o médico.

• Evangelho de João, escrito 98 anos d.C. por São João, o discípulo amado.

• Atos dos Apóstolos, escrito 61 anos d.C. por São Lucas, o médico.

Epístolas Paulinas, escritas por São Paulo, filósofo, advogado e fabricante de tendas:

• Epístola aos Romanos, escrito 56 anos d.C.

• Epístola I aos Corintios, escrito 55 anos d.C.

• Epístola II aos Coríntios, escrito 55 anos d.C.

• Epístola aos Gálatas, escrito 50 anos d.C.

• Epístola aos Efésios, escrito 60 anos d.C.

• Epístola aos Filipenses, escrito 60 anos d.C.

• Epístola I aos Tesalonicenses, escrito 50 anos d.C.

• Epístola II aos Tesalonicenses, escrito 51 anos d.C.

• Epístola I a Timóteo, escrito 61 anos d.C.

• Epístola II a Timóteo, escrito 64 anos d.C.

• Epístola a Tito, escrito 64 anos d.C.

• Epístola a Filemon, escrito 60 anos d.C.

• Epístola aos Hebreus, escrito 61 anos d.C.

• Epístola a Tiago, escrito 62 anos d.C.

****************************************

• Epístola I Pedro, escrito 62 anos d.C. escrita por São Pedro, o pescador.

• Epístola II Pedro, escrito 64 anos d.C. escrita por São Pedro, o pescador.

• Epístola de I João, escrito 98 anos d.C. escrita por São João, o discípulo amado.

• Epístola de II João, escrito 98 anos d.C. escrito por São João, o discípulo amado.

• Epístola de III João, escrito 98 anos d.C. escrito por São João, o discípulo amado.

• Epístola de Judas, escrito 65 anos d.C. escrito por Judas, meio irmão de Jesus.

• Apocalipse, escrito 98 anos d.C. escrito por São João, o discípulo amado.

Acontece que logo após a morte de Cristo, as boas novas do Evangelho espalharam-se rapidamente por todo o mundo conhecido à época, principalmente pela Ásia, Panfília, Grécia, e Europa, ocasionando uma série de transtornos aos Apóstolos que eram tidos pelos cristãos como as únicas autoridades vivas e portadores da Palavra divina do Senhor Jesus, em razão de que os doze apóstolos não conseguiam coordenar todo este crescimento sòmente através da tradição oral. Começaram a ocorrer desvios de ensino, cada comunidade de cristãos achava e pensava de uma forma, a ponto de que os apóstolos resolveram compor o Didaquê, ou ensino dos Doze Apóstolos, a fim de se evitar que cada congregação agisse e pensasse de forma diferente uma das outras (parece que não deu certo). Podemos notar que o Didaquê confere plenamente com as escrituras sagradas como podemos ver nas observações ao final de cada título, pudera, o novo testamento foi escrito pelos Apóstolos, e de maneira nenhuma eles se contradiriam. Infelizmente, todo o capricho tido por Eles, com o passar do tempo foi esquecido pelos seus sucessores, que passaram a agir cada um de uma forma, criando várias rupturas na Igreja, derivando daí a apostasia. Criando denominações, Instituições religiosas, e sistemas clericais tão desviados da verdade que o próprio inimigo de Deus delira. Nos dias finais não é diferente, existem muitas Igrejas, muitas doutrinas, muitos ventos de doutrinas, muito mandado de homens, cada um pensa de um jeito e está mais certo do que o outro, o servir caiu de moda, os ensinamentos do Senhor estão esquecidos, belas gravatas, pomposos púlpitos, ostentação de cargos, preocupações financeiras, evangelho empresarial, dentre outras, marcam a face da hipocrisia interdenominacional, um belo palco para o Anticristo. Lembremo-nos que onde não governam o Pai, O Filho, e O Espírito Santo, é Satanás quem governa em forma de homem, seduzindo o povo de Deus com sabedoria humana. Babilônia a grande e suas filhas estão a um passo de seu fim glorioso, o tempo é de Deus, quem tem ouvidos ouça.
Jorge Pires Correa
Pastor da Igreja Internacional do Evangelho Eterno

O DIDAQUÊ OU
ENSINO DOS DOZE APÓSTOLOS

Ensino do Senhor às nações por intermédio dos doze apóstolos

Cap. I – Os dois caminhos

1 – Há dois caminhos, um de Vida e um de morte, mas é mui grande a diferença entre os dois caminhos.

O caminho da vida

Mt. 22:37-39; Mc 12:30-31; Lev. 19:18.

2 – O caminho da vida, então, é este: ‘’Primeiro, amará a Deus que te fez, e, segundo, a teu próximo como a ti mesmo; e tudo quanto não queres que te suceda, não o faças, também, a outro’’.

Detalhes sobre o ensino

Mt. 7:12; Lc. 6:31; Mt. 5:44,46,47; Lc. 6:32-33.

3 – E o ensino destas palavras é este: ‘’abençoai aos que vos maldizem, e rogai a favor dos vossos inimigos; e jejuai por aqueles que vos perseguem. Porque, que graça (1) há se amais aos que vos amam? Pois não faz os gentios o mesmo? Vós, porém, amai aos que vos aborrecem’’, e não tereis inimigos.

(1) A graça como bênção. Quem ama aos que o amam não merece louvor.()

4 – ‘’Abstêm-te dos desejos carnais e dos corporais’’.’’ Se alguém te dá uma bofetada na face direita, vira-lhe também a outra’’, e serás perfeito. ‘’ Se alguém te obriga a caminhar uma milha, acompanha-o duas’’. ‘’Se alguém te leva o manto, dá-lhe também a túnica’’. ‘’Se alguém toma o que é teu, não lho recuses’’: Porque não o podes.

I Pd 2:11; Tit. 2:12; Mt 5:39, 48; Mt 5:41, 40; Lc 6:30.

As esmolas

5. ‘’Dá a todo o que te pede e não lhe exijas de volta: porque o Pai quer que se dê a todos de Suas próprias dádivas. Bem-aventurado é aquele que dá conforme o mandamento: porque é inocente. Mas ai daquele que recebe: porque se recebe tendo necessidade, será inocente; mas o que recebe, não tendo necessidade, dará conta (2) porque recebeu e para que. Será posto em prisão e interrogado sobre como procedeu (3), e não sairá dali até que haja pagado o último ceitil (4).

6. Mas a respeito disto também foi dito: ‘’Que tua esmola sue em tuas mãos, até que saibas a quem dás’’.

(2) – DIKÉN – será julgado perante a autoridade.

(3) – Sobre a ação praticada.

(4) – No original: KODRÁNTÉN – um quadrante, ou Quarta parte. Moeda romana de pouco valor.

Cap. II – A Segunda parte do ensino

1. Mas o segundo mandamento do ensino é: 2. ‘’Não matarás, não adulterarás, não corromperás aos jovens, não fornicarás, não furtarás, não praticarás a magia, não prepararás drogas maléficas (5), não provocarás aborto, nem matarás ao recém-nascido, não cobiçarás os bens de teu próximo’’. 3. Não perjurarás, não dirás falso testemunho, não falarás mal, não guardarás ressentimentos. 4. Não serás dobre na mente nem na língua, porque a língua dobre é armadilha da morte. 5. Tua palavra não será falsa nem improfícua, mas plena de ação. 6. Não serás avaro, nem ladrão, nem hipócrita, nem malicioso, nem orgulhoso. Não tramarás maus desígnios contra teu próximo.7. Não aborrecerás a nenhum homem; mas a alguns reprovarás, por outros tu orarás, e a outros amarás mais que à tua própria alma. Mt. 5:33; 19:18.

Cap. III – Prosseguem os conselhos ao catacúmeno

1. Filho foge de todo mal e de tudo que se assemelha a ele (6). 2. Não sejas iracundo, porque a ira conduz ao homicídio, nem invejoso, nem contencioso, nem apaixonado, porque de todas estas coisas se originam mortes. 3. Filho meu, não sejas concupiscente, porque a concupiscência (7) leva à fornicação, nem maldizente, nem altivo em teus olhos, porque de tudo isto se engendram adultérios. 4. Filho meu, não sejas agoureiro (8), pois isto conduz à idolatria; nem encantador, nem astrólogo (9), nem purificador (10), nem queiras ver estas coisas, porque de todas elas provem idolatria. 5. Filho meu, não sejas mentiroso, pois a mentira conduz ao roubo, nem escravo do dinheiro, nem vanglorioso, porque de todas estas coisas se originam roubos. 6. Filho meu, não sejas murmurador, porque isto leva à blasfêmia, nem arrogante, nem perverso em tua mente, pois que de todas estas coisas surgem blasfêmias. 7. Mas tu sê manso, pois os mansos herdarão a terra. 8. Sê paciente e misericordioso e sincero (11), e tranqüilo, e bom, reverenciando sempre as palavras que ouviste. 9. Não te exaltarás a ti mesmo, nem permitirás a arrogância em tua alma. Não se associará a tua alma com os altivos, antes, porém, se voltará para os justos e humildes. 10. Receberás os acontecimentos que te sobrevierem como bens, sabendo que nada sucede sem Deus. Mt. 5:5

Cap. IV – Deveres do cristão para com a Igreja.

1. Filho meu, lembrar-te-ás noite e dia daquele que te anuncia à palavra de Deus, e o honrarás como ao Senhor, porque onde se fala do poder do Senhor, ali o Senhor está. 2. Também buscarás a cada dia a presença (12) dos santos, a fim de que aches descanso em suas palavras. 3. Não causarás cisões, mas pacificarás aos que estiveram em luta. Julgarás com justiça. Não faças acepção de pessoa quando reprovares as transgressões. 4. Não duvidarás, se será ou não. Dt. 1:16; Prov. 31:9.

(5) – Farmàkeúw – fabricar remédios, drogas, venenos.

(6) – O vocábulo PONEROU – é de sentido lato. Podem referir-se também a homens e demais seres.

(7) – O autor refere-se aos apetites carnais. No grego – EPITUMIA.

(8) – A palavra empregada usava-se para aqueles que sondavam as entranhas de certas aves, querendo desvendar o futuro.

(9) – No original trata-se daquele que pesquisa a ciência.

(10) – À semelhança daqueles que ainda hoje são chamados para benzer casas e purificá-las de influências más, por meio de defumações, rezas ou passes.

(11) – ÁKAROS – sem malícia, livre do mal.

(12) – O rosto, a face, ou semblante. O encontro pessoal, face a face.

Deveres para com os pobres

5. Não sejais dos que estendem as mãos para receber, mas fecham-nas quando devem dar. 6. Se adquirires algo por tuas mãos (13), darás dele em resgate de teus pecados. 7. Não hesitarás em dar, nem murmurarás enquanto dás; porque saberás quem é o bom retribuidor da oferta. 8. Não voltarás as costas ao necessitado, mas compartilharás de todas as coisas com teu irmão, e não dirás ser exclusividade tua. Pois se vos comunicais no que é imortal, quanto mais nas coisas perecíveis? Mt. 5:42.

Deveres para com a família, os escravos e a comunidade.

9. Não tirarás a tua mão de teu filho ou de tua filha (14), mas desde a juventude lhes ensinarás o temor de Deus. 10. Não mandarás em tua amargura ao teu escravo nem à tua escrava, que esperam no mesmo Deus, não aconteça deixarem de temer a Deus que está sobre vós ambos; porque Ele não vem a chamar segundo a aparência (15), mas àqueles que o Espírito preparou. 11. E vós que sois escravos, submetei-vos aos vossos senhores, como tipos de Deus, em reverência e temor. 12. Aborrecerás toda hipocrisia e tudo que não seja agradável ao Senhor. 13. Não abandonarás os mandamentos do Senhor, mas guardarás o que recebestes, nada acrescentando nem tirando. 14. Na congregação (16) confessarás as tuas transgressões, e não te entregarás à oração em má consciência. Este é o caminho da vida. Prov. 13:24; 19:18; 22:15; Dt. 6:7; Ef. 6: 9; 6:7; Dt. 4:2; 12:32.

Cap. V – O caminho da morte

1. Mas o caminho da morte é este: acima de tudo, é mau e cheio de maldição: homicídio, adultérios, concupiscências, fornicações, roubos, idolatrias, magias, drogas maléficas, rapinas, falsos testemunhos, hipocrisias, dobrez de coração, dolo, orgulho, malícia, avareza, linguagem torpe, inveja, atrevimento, altivez, jactância. 2. (Por este caminho andam) (17) os perseguidores dos bons, os que aborrecem a verdade, os que amam a mentira, os que não conhecem a recompensa da justiça, os que não aderem ao bem nem ao justo juízo, os que passam a noite em vigília não para o bem, mas para o mal, dos quais a mansidão e a paciência se distanciaram, amantes das coisas vãs, buscando a recompensa, não se compadecendo do pobre, nem se incomodando com o aflito, desconhecendo Aquele que os fez; assassinos de crianças, corruptores de criaturas (18) de Deus, que fogem do necessitado e oprimem ao atribulado; advogados dos ricos, juizes injustos dos pobres, cheio de todo pecado. Livrem-vos, filhos, de todos estes. Mt 15:19; Rom. 1:29:30; 12:9; Salmos 4:2; Is. 1:23.

(13) – Por esforço, através do serviço.

(14) – O pai exerce disciplina sobre os filhos; não os entrega a si mesmos.

(15) – Deus não se deixa levar por respeitos humanos.

(16) – O termo empregado é EKKLESIA – a Igreja, a assembléia, a reunião dos crentes.

(17) – A expressão não se encontra no original, mas subentende-se.

(18) – O termo no original é significativo: PLÁSMATOS – os que são modelados, plasmados.

Cap. VI – Exortações finais

1. Vê, que ninguém te seduza deste caminho da doutrina, pois te ensina o que não é de Deus. 2. Porque, se podes levar todo o jugo do senhor, serás perfeito; mas, se não podes, faze o que podes. 3. A respeito da comida, suporta o que podes; mas do que é oferecido aos ídolos, abstêm-te completamente, porque é culto de deuses mortos. Mt. 24:4.

Cap. VII – O batismo

1. Acerca do batismo, batizai deste modo: Havendo previamente dito todas estas coisas, ‘’batizai em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo’’, em água viva. 2. Mas se não tens água viva, batiza em outra água; se não podes em fria, (batiza) em quente. 3. E se não tens nem uma nem outra, derrama água na cabeça, três vezes, ‘’em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo’’. 4. Antes, também, do batismo, jejuem o que batiza e o que há de ser batizado, e alguns outros que possam. Mas ao batizando lhe mandarás jejuar um ou dois dias antes. Mt. 28:19.

Cap. VIII – Jejuns e oração

1. Vossos jejuns não sejam, todavia, conforme os dos hipócritas, porque eles jejuam no segundo e quinto dia depois do Sábado, mas vós jejuai o dia quarto e o da preparação (19). 2. E não oreis como os hipócritas, mas como o Senhor os mandou em Seu Evangelho, assim orareis: ‘’ Nosso Pai que estás no céu, santificado seja o teu nome, venha o teu reino, a tua vontade seja feita na terra, como o é no céu; dá-nos hoje o pão que nos é essencial, e perdoa-nos nossa dívida, assim como também nos perdoamos aos nossos devedores, e não nos leves à tentação, mas livra-nos do mal. Porque teu é o poder e a glória para sempre’’. Assim orareis três vezes ao dia. Mt. 6:16; 6:5; 6:9-13.

Cap. IX – A Eucaristia

1. E a respeito da Ação de Graças (20), assim fareis: 2. Primeiro acerca do cálice: ‘’Damos-te graças, nosso Pai, pela santa vinha de Davi, teu servo, a qual nos fizeste conhecida por meio de Jesus Cristo, teu servo. A ti seja a glória para sempre’’. 3. E sobre o fragmento (de pão): ‘’Damos-te graças, nosso Pai, pela vida e o conhecimento que nos deste, a saber, através de Jesus Cristo, teu servo. A ti seja a glória pelos séculos’’. 4. Como este fragmento estava disperso sobre os montes e, recolhido, fez-se um, assim seja reunida a tua Igreja, desde os confins da terra em teu reino. Porque tua é a glória e o poder, através de Jesus Cristo, para sempre’’. 5. Mas ninguém coma nem beba de vossa ação de graças, a não ser os que foram batizados no nome do Senhor: ‘’Não deis aos cães o que é santo’’. Mt. 7:6.

(19) – Os judeus jejuavam as segundas e quintas-feiras; os cristãos as quartas e sextas-feiras. O dia da preparação era a Sexta-feira (Mt. 27:62; Mc 15:42);

(20) – O termo grego é EUCARISTIA.

Cap. X - A parte final da Eucaristia

1. E depois de satisfeitos (21), daí graças assim: ‘’ Somos-te gratos, Pai santo, por teu santo nome, que fizeste habitar em nossos corações, e pelo conhecimento da fé e imortalidade que nos deste a saber por meio de Jesus Cristo, teu servo. 2. A ti seja a glória pelos séculos. 3. Tu, Senhor Onipotente, criaste todas as coisas por causa do teu nome, e deste alimento e bebida aos homens para seu deleite, para que te sejam agradecidos, mas a nós nos agraciaste com alimento espiritual e bebida e vida eterna por instrumentalidade de teu servo. 4. Acima de tudo damos-te graças porque és poderoso. A ti seja a glória para sempre. 5. Lembra-te, Senhor, de tua Igreja, para livrá-la de todo mal e fazê-la perfeita em teu amor, e reúne-a desde os quatro ventos, santificados, em teu reino, que para ela preparaste. Porque teu é o poder e a glória para sempre. 6. Venha à graça, e passe este mundo. Hosana ao Deus de Davi! Se alguém é santo, aproxime-se; se não o é, arrependa-se: Maran athá (22). Amém. 7. Entretanto, aos profetas permiti realizar a Ação de Graças, quantas vezes queiram. Ap. 4:11; Mt. 24:31; 21:9,15; 1 Cor. 16:22.

(21) – Comer até ficar saciado, sem fome.

(22) – É uma expressão aramaica e que significa: ‘’Vem, Senhor’’. (Ap. 22:20).

Cap. XI – Itinerantes, Apóstolos e Profetas

1. Todo aquele, então, que venha e vos ensine todas estas coisas acima referidas, recebei-o. 2. Mas se o que ensina, a si mesmo se tiver extraviado, e ensina outra doutrina, para pervertê-las, não lhe deis ouvidos; mas, se for para a promoção da justiça e conhecimento do senhor, recebei-o como ao Senhor. 3. E acerca dos Apóstolos e Profetas, conforme a ordenança do Evangelho assim procedei. 4. Todo apóstolo que venha a vós seja recebido como o Senhor, 5. Porém não permanecerá mais que um dia, e se houver necessidade, ainda o outro dia; mas se permanece três dias, são um falso profeta. 6. E tendo saído o apóstolo, nada tomará para si, a não ser pão, até ao próximo alojamento. Mas se pede dinheiro, é um falso profeta. 7. E não submetais à prova nem julgueis a todo profeta que fala em espírito, porque todo pecado será perdoado, mas este pecado não se perdoará. 8. Aliás, nem todo o que fala em espírito é profeta, mas sòmente o que tenha os modos do Senhor. Assim, por seu procedimento será distinguidos o falso profeta e o verdadeiro profeta. 9. E todo profeta que ordena em espírito por uma refeição, não comerá dela, pois do contrário é falso profeta. 10. Todo profeta que ensina a verdade, se não pratica o que ensina, é falso profeta. 11. Mas nenhum profeta, provado e achado verdadeiro, e que realiza o mistério mundano (23) da Igreja, mas não ensina a fazer o que ele próprio faz, não seja julgado por vós, porque tem seu julgamento com Deus, porque igualmente fizeram os antigos profetas. 12. Mas o que disser em espírito: ‘’Dá-me dinheiro, ou qualquer outra coisa’’, não o ouçais; se, porém, vos disser que é para dar a favor de outros que estão em necessidade, não o julgueis. Mt. 10:40; Jo. 13:20; Mt. 12:31: 7:15-20.

Cap. XII – O viandante Cristão

Todo o que ‘’venha em nome do Senhor’’ seja recebido; mas depois, examinando-o, o conhecereis, porque tendes entendimento do certo e do errado (24). 2. Se o que chega é caminhante, auxiliai-o o quando podeis, mas não permanecerá convosco senão dois dias, ou se houver necessidade, três. 3. E se deseja estabelecer-se entre vós, e tem ofício, que trabalhe e se alimente. 4. Mas se não tem ofício, providenciai segundo o vosso entendimento, de modo que não viva entre vós um cristão ocioso. 5. Mas se não quer proceder assim, é um traficante de Cristo. Acautelai-vos contra os tais. Mt. 21:9; Sl 118:26; Jô 5:43; II Tes. 3:6-12; Mt 7:15.

(23) – No original: ‘mistério cósmico’’. Para os leitores da época a expressão era compreensível.

(24) – Literalmente: ‘’entendimento direito e esquerdo’’.

Cap. XIII – O sustento do obreiro divino

1. Mas todo profeta verdadeiro que deseja fixar-se entre vós é digno de seu sustento. 2. De igual modo, o mestre verdadeiro é digno também, como o obreiro, de seu sustento. 3. Por isso tomarás toda primícia dos produtos do lagar e da eira, e dos bois e ovelhas, e os darás como primícia aos profetas, porque são os vossos sumo-sacerdotes (25). 4. Mas, se não tiverdes profetas, daí aos pobres. 5. Se fizeres pão, toma a primícia e dá conforme o mandamento. 6. Igualmente, quando abrires um cântaro de vinho ou de óleo, tomas as primícias e dá-as aos profetas. 7. E também de dinheiro e de roupas e de todos os haveres toma a primícia, como bem te pareça, e dá segundo o mandamento. Mt 10:10; I Cor. 9:13-14; I Tim. 5:17-18.

Cap. XIV – O dia do Senhor

1. Reunindo-vos no dia do Senhor, parti o pão e daí graças, depois de haver confessado vossas transgressões, para que o vosso sacrifício seja puro. 2. Mas todo o que tenha contenda com seu companheiro, não se junte convosco até que se hajam reconciliado, a fim de que o vosso sacrifício não seja profanado. 3. Porque isto é o que foi dito pelo Senhor: Em todo lugar e tempo oferecer-me-eis um sacrifício puro, porque eu sou rei grande, ‘’disse o Senhor, ‘’e meu nome é admirável entre as nações’’. I Cor. 16:2; At. 20:7; Ap. 1:10; Mt 5:23-24; Mal. 1:11,14.

(25) O Sentido: os sacerdotes da mais alta importância; os principais. Donde se conclui não serem os únicos ministros de Deus.

Cap. XV – Acerca dos bispos e diáconos, e do evangelho.

1. Elegei, então para vós mesmos bispos (26), e diáconos (27) dignos do Senhor, varões mansos e não amantes do dinheiro, verdadeiros e aprovados, porque também eles vos ministram os serviços (28) dos profetas e mestres. 2. Não os desprezeis, pois, porque são dignos de igual honra, como os profetas e mestres. 3. E corrigi uns aos outros, não em ira, mas em paz como tendes no Evangelho, e alguém tendo desviado a outro, ninguém lhe fale, nem ouça uma palavra de vós, até que se arrependa. 4. Mas as vossas orações e as ofertas e todas as ações as fareis como tendes no Evangelho de nosso Senhor. At. 14:23; I Tim. 3:1,8; Mt 5:22-26; 18: 15-35; Col. 3:17.

Cap. XVI – Exortação final. Os últimos tempos. A vinda do Senhor


1. Vigiai por vossa vida: as vossas lâmpadas não estejam apagadas, e nem desprevenidos os vossos lombos, mas estai preparados (29), porque não sabeis a hora em que nosso Senhor há de vir. 2. Mas reuni-vos freqüentemente, buscando as coisas proveitosas às vossas almas, porque não vos aproveitará todo o tempo de vossa fé, a não ser que estejais perfeitos no último tempo. 3. Porque nos últimos dias (se multiplicarão) os falsos profetas e os corruptores, e as ovelhas se converterão em lobos, e o amor se tornará em ódio. 4. Porque com o incremento da iniqüidade, odiar-se-ão uns aos outros, e perseguir-se-ão e trair-se-ão, e então aparecerá o enganador do mundo como filho de Deus, e fará sinais e prodígios, e a terra será entregue em suas mãos e cometerá iniqüidades como jamais se praticaram desde os séculos. 5. Então virá a criação (30) dos homens para o fogo da prova, e muitos se escandalizarão e perecerão, mas os que permanecerem em sua fé, se salvarão pela mesma maldição. 6. E então aparecerão os sinais da verdade: primeiro, o sinal da abertura no céu; depois o sinal da voz de trombeta, e, em terceiro lugar, a ressurreição dos mortos. 7. Mas não de todos, porém como foi dito: ‘’O Senhor virá e todos os santos com Ele’’. 8. Então o mundo verá o Senhor vindo sobre as nuvens do céu. II Tes. 2:3,4,9; Ap. 13:13; 12:9; Mt 24:10; 10:22; 24:13; 24:30-31; I Tes. 4:16; Zac. 14:5; Mt 24:30; 26:64.

(26) Episkopos, ou superintendentes, ou inspetores.

(27) Ministros, assistentes, ou servidores.

(28) Liturgia, serviço divino.

(29) Alerta; despertados.

(30) Talvez ‘’juízo’’, pois seria fácil converter o texto original KTISSIS, e diríamos: ‘’Virá o juízo dos homens no fogo da prova’’.

FIM

O Didaquê – tradução do texto original