segunda-feira, 18 de março de 2013

FRANCISCO I: ''QUE DEUS OS PERDOE PELO QUE FIZERAM''

DIZEM QUE O PAPA ESTAVA BRINCANDO COM OS CARDEAIS, MAS JESUITAS NÃO BRINCAM COM PALAVRAS, ELES SÃO MANSOS MAS RADICAIS AO EXTREMO
 A HISTÓRIA QUE O DIGA!
''Que Deus os perdoe pelo que fizeram'', diz Papa aos cardeais que o elegeram, contou na quinta-feira, dia 14 de março, o porta-voz do Vaticano Federico Lombardi.
A EMPRESA Vaticano é uma das, senão a mais rica instituição do mundo. Estima-se que de 20 a 30% dos imóveis da Itália são de propriedade do Vaticano, incluindo igrejas, escolas, hospitais, clínicas e até hotéis. Os rendimentos anuais do Vaticano chegam a ultrapassar os 300 milhões de dólares. Quer dizer: uma instituição que se diz “santa” e preocupada com a pobreza no mundo, não parece fazer muito pelos mais necessitados.
Lembrando o Vaticano, para assombro de muitos, mas nem tanto, pois depois de tantos escândalos de abusos sexuais pelo mundo, são bem interessados em investimentos no mínimo contraditórios. É “apenas” o principal acionista da MAIOR indústria de armamentos do mundo.
 http://historiaemperspectiva.dihitt.com.br/n/negocios-marketing/2013/02/15/banco-do-vaticano-e-o-principal-acionista-da-maior-industria-de-armamentos-do-mundo

Calma, não fica só nisso não… Eles também investem em cigarros e pílulas anticoncepcionais. Mas continuam sendo contra a camisinha, até porque nesse mercado não é tão lucrativo. Já dão camisinha de graça não é?… Mas, tudo bem, os caras pediram desculpas vai… Como um bom cristão e fiel a igreja, você desculpa não é?!…
Inácio de Loyola
Inácio de Loyola que ficou conhecido mais tarde como “Santo Inácio de Loyola”, foi o fundador dessa empresa de Jesus. Esse cara foi um militar de família nobre que acabou ferido gravemente em guerra contra os franceses em 1521. No seu período de recuperação, dedicou-se convenientemente à leitura do “Flos Sanctorum“, o que o fez assim de repente, querer dar uma de “santo”.
Disse General Lafayette sobre os Jesuítas:
“Na minha opinião se as liberdades deste país, os Estados Unidos da América, são destruídas, será por culpa dos membros jesuítas da Igreja Católica Romana, já que estes são os mais cruéis e perigosos inimigos da liberdade religiosa e os direitos civis. Eles, e não outros, instigaram a maior parte das guerras na Europa“.
 
Napoleão depois de capturado pelos ingleses e deportado para a ilha de Sta. Elena, escreveu aos seus superiores: ”Os Jesuítas são uma organização militar, não uma ordem religiosa. Seu superior, é um general de um exército, não um simples padre de abadia ou monastério. E seu objetivo é: O PODER. O poder em sua forma mai despótica, o poder absoluto, o poder universal, o poder de controlar o mundo com a vontade de um só homem. O jesuitismo é a forma mais absoluta de despotismo: e, ao mesmo tempo, o mais gigantesco dos abusos“.
 No revelador livro “Fifty Years In The Church Of Rome“, por Charles Chiniquy, 1968, reeditado de uma edição de 1886, no capítulo que fala da Memória do cativeiro de Napoleão em Santa Helena, pelo General Montholon:  “O general dos jesuítas almeja converter-se em master, soberano com poder sobre os soberanos. além de onde sejam admitidos, os jesuítas serão os donos, custe o que custar. Sua sociedade é, por natureza, ditatorial, e por tanto é um inimigo irreconciliável de toda autoridade constituída. Cada ato, cada crime, por mais atroz que seja, é um trabalho meritório, se está feito no interesse da Sociedade dos Jesuítas, ou tenha sido ordenado pelo General“.
Há uma relação muito estreita entre os Jesuítas e a Ordem de Malta que é um Estado não territorial cuja sede central está na cidade de Roma e tem o estatuto ex-territorialidade como se fosse uma embaixada. Essa relação entre jesuítas e a Ordem de Malta não é irrelevante, já que foi a Ordem de Malta que financiou Lenin e Hitller usando o dinheiro do Banco da Reserva Federal, negociaram um tratado papal entre o Papa e Hitler e nos Estados Unidos estão por trás do projeto “Paper clip”, entre outras muitas coisas.
O Presidente Abraham Lincoln disse:  “Os protestantes tanto do Norte como do Sul deveriam unir-se para exterminar aos monges e os jesuítas; se alcançarem a vislumbrar como os monges, as freiras, os padres, que diariamente chegam as nossas terras, baixo o pretexto de pregar sua religião, não são nada mais que emissários do Papa, de Napoleão III, e de outros déspotas europeus, que querem unicamente minar nossas instituições, alienar os corações de nossa gente e nossa Constituição de nossas leis, destruir nossas escolas e preparar um reino de anarquia aqui, como já o fizeram na Irlanda, México e Espanha, e como fizeram em qualquer lugar do mundo onde houvesse gente que aspirasse a ser livre“. Fonte: Fifty Years In The Church Of Rome, Charles Chiniquy, 1968, reeditado da edição de 1886.
No livro “The Suppressed Truth About The Assassination Of Abraham Lincoln“, Burke Mc Carty, 1973, publicado pela primeira vez em 1924 lemos:
“O assassinato de Lincoln foi instigado pelo papa “negro”, ou seja, o General da Ordem Jesuíta, camuflado por trás do papa “branco”, Pio IX, com ajuda e financiado por outros que se creem com “direitos divinos” na Europa e finalmente o assassinato foi consumado pela hierarquia Romana e seus agentes pagos neste país (EUA) e o Canadá francês, o dia “Good Friday“, o 14 de Abril de 1865 no Teatro Ford, de Washington D.C“.
Este documento sobre os Objetivos dos Jesuítas Para o Próximo Milênio, revelados fontes jesuítas, é muito revelador. É muito interessante comprovar como dão especial ênfase na nova evangelização e o ecumenismo (ou seja, todas as religiões em uma só).
Como Phelps ou Greg Szymanski, outros muitos autores acreditam que A Ordem Jesuíta é a que controla espiritualmente a Nova Ordem Mundial.
o texto está no site http://apocalink.com.br/2013/03/o-papa-da-cia-de-jesus.html eu só fiz alguns arranjos.

domingo, 17 de março de 2013

PEDOFILIA NÃO É CRIME?

VERGONHA!
Cardeal que participou de eleição do papa diz que pedofilia 'não é crime'

Sacerdote sul-africano defende que pedófilos 'são doentes' e não podem ser punidos; declarações causam indignação entre vítimas de abusos
BBC | 16/03/2013 14:33:32

Reuters
Para Cardeal Napier, pedófilos 'não merecem' ser punidos

O arcebispo sul-africano Wilfrid Fox Napier - um dos 115 cardeais que participaram da eleição do novo papa- defendeu neste sábado que a pedofilia seria uma "doença" psicológica, "não uma condição criminal", causando indignação entre especialistas e vítimas de abusos de sacerdotes da Igreja Católica.

Em entrevista à Radio 5, da BBC, Napier disse que, no geral, pedófilos são pessoas que sofreram abusos quando eram crianças e por isso eles precisam ser examinados por médicos especializados.
"(A pedofilia) é uma condição psicológica, uma desordem", afirmou o arcebispo. "O que você faz com transtornos? Você tem que tentar consertá-los."

Napier disse que conhecia pelo menos dois sacerdotes pedófilos, que teriam sofrido abusos quando crianças.
"Se alguém 'normal' escolher quebrar a lei, sabendo que está quebrando a lei, então eu acho que precisa ser punido", disse.

"Agora não me diga que essas pessoas (pedófilos) são criminalmente responsáveis, como alguém que escolhe fazer algo assim. Eu não acho que você pode realmente tomar a posição de dizer que a pessoa mereça ser punida. Ele mesmo foi afetado (na infância)."

quarta-feira, 13 de março de 2013

FRANCISCO I É O NOVO PAPA DA IGREJA CATÓLICA ROMANA

A Igreja católica estava certa ao contestar as profecias de São Malaquias pois o 226º Papa eleito hoje não se denominou Pedro, o Romano como diz a profecia erroneamente atribuida a São Malaquias, mas sim Papa Francisco I e contra os fatos não existem argumentos, e eu tive a coragem de publicar a posição da Igreja católica romana no dia 08/03/2013 e hoje estou atualizando a matéria, e como dizem os católicos: Habemus Papam.
Papa Francisco I
 
MATÉRIA PUBLICADA NO DIA 08/03/2013: 
Renúncia de Bento XVI e a profecia do último Papa
Desligue o player da radio do blog e assista ao video:
Por Jerome R. Corsi, da WorldNetDaily

Apesar de um papa católico romano não ter deixado o cargo em quase 600 anos, a renúncia surpreendente do Papa Bento XVI foi predita pelos co-autores de um livro publicado na primavera passada, sobre uma profecia medieval de que o próximo pontífice será o último.
Em “Petrus Romanus: The Final Pope is Here,”, os co-autores Tom Horn e Cris Putnam examinam a “Profecia dos Papas”, escrita por São Malaquias, baseada em sua visão profética dos próximos 112 papas, começando com o papa Celestino II , que morreu em 1144. Malaquias apresentada uma descrição de cada papa, culminando com o papa final, “Pedro, o Romano”, cujo reinado iria acabar com a destruição e julgamento de Roma.
Horn disse que a renúnica de Bento XVI ao invés de morrer no papado foi baseada não só em São Malaquias, mas também em uma série de informações históricas e atuais.
Nós analisamos “A Profecia dos Papas”, analisamos o que estava acontecendo nos meios de comunicação italianos, e nós determinamos, com base em uma grande quantidade de informações, que o Papa Bento provavelmente deixaria o cargo, alegando motivos de saúde, em 2012 ou 2013″, disse Horn.
São Malaquias foi um santo irlandês e arcebispo de Armagh, que viveu de 1094 a 1148. Malaquias descreveu o penúltimo papa, que Horn acredita ser Bento XVI, como “Gloria olivae” ou “Glória da Oliveira”.
O Papa Bento XVI não era um sacerdote beneditino, mas ele escolheu o nome de Bento, o fundador da Ordem de São Bento, que também é conhecida como Ordem dos Beneditinos de Monte Oliveto.
O símbolo da Ordem Beneditina inclui um ramo de oliveira.
Bento, falando na segunda de manhã em latim para uma pequena reunião de cardeais no Vaticano, disse que, após examinar sua consciência “diante de Deus, eu tive a certeza de que meus pontos fortes, devido à idade avançada, não são mais adequados para um apropriado exercício de liderar a Igreja Católica Romana.”
Pedro, o Romano
Horn e Putnam discutem as evidências, apontando para uma renúncia de Bento XVI nas páginas 74 e 486, em seu lançado em livro de abril 2012, e Horn fez a previsão de uma série de programas de rádio nos últimos meses, incluindo 13 de janeiro deste ano.
Malaquias descreveu o último Papa como “Petrus Romanus”, ou “Pedro, o Romano”, escrevendo: “Na perseguição final da Santa Igreja Romana reinará Pedro, o Romano, que irá alimentar seu rebanho entre muitas tribulações e depois a cidade das sete colinas será destruída e o Juiz terrível julgará o povo.”
Horn e seu co-autor criaram a sua própria lista de 10 candidatos para suceder Bento XVI e tornar-se “Pedro, o Romano”.
Curiosamente, o principal candidato é o cardeal Tarcisio Bertone Evasio Pietro, o Cardeal Secretário de Estado, que nasceu em Romano, Itália. Seu nome poderia, portanto, ser Pedro, o Romano.
 Outro Pedro que está na lista é um negro Africano, o cardeal Peter Turkson, de Gana, o atual presidente do Conselho Pontifício de Justiça e Paz.
Em qualquer caso, Horn observou, os católicos acreditam que o Papa habita o “ministério petrino” como um sucessor do apóstolo Pedro.
Outros candidatos na lista de Horn são Francis Arinze, Angelo Scola, Gianfranco Ravasi, Leonardo Sandri, Ennio Antonelli, Jean-Louis Tauran, Christoph Schönborn e Marc Quellet.
Em 1880, M. J. O’Brien, um padre católico, publicou em Dublin um livro fornecendo uma “análise crítica e histórica ” das profecias de São Malaquias.
 O’Brien acredita que Malaquias estava declarando que o reinado do papa identificado como Petrus Romanus culminaria com o fim do mundo e o retorno de Jesus Cristo.
O’Brien descreve que a visão de Malaquias ocorreu enquanto o santo estava em Roma por um mês, visitando e orando em locais históricos e sagrados na Cidade Eterna:
 A visão das ruínas da Roma pagã, os túmulos dos Apóstolos, o pensamento de tantos milhares de mártires, a presença do [Papa] Inocêncio II, que tinha sido obrigado a vagar tantos anos na França e em outros países por conta do anti-papa Anacleto – tudo isso, eu digo, encheu a mente de São Malaquias com reflexões profundas e tristes e ele foi forçado a gritar nas palavras dos profetas antigos: “Usquequo, Domine non misereberis Sion?” – “Até quando, ó Senhor, Tu não terás piedade de Sião?”
O’Brien continua:
E Deus respondeu: “Até o fim do mundo, a Igreja será tanto militante quanto triunfante. Até o fim do tempo os sofrimentos da minha paixão e os mistérios da minha cruz devem ser continuados na terra, e eu estarei com você até o fim do mundo.” E então foi revelado diante do olhar do santo bispo de Armagh a longa linhagem de ilustres que iriam dirigir a tempestuosa missão de Pedro até o fim.
Malaquias entregou seu manuscrito a Inocêncio II, que foi pontífice de 1130 a 1143. O documento foi guardado nos arquivos do Vaticano, onde permaneceu desconhecido, até sua descoberta em 1590.
Surpreendentemente preciso
Ao longo dos últimos 900 anos, vários críticos questionaram a autenticidade e veracidade das profecias de São Malaquias, muitas vezes alegando que os métodos utilizados por alguns de seus intérpretes para aplicar seus epítetos a certos papas têm sido tortuoso.
Horn disse que ele e Putnam tinha uma visão crítica de “A Profecia dos Papas” e concluiu que a primeira parte dela, as primeiras 70 ou mais previsões, provavelmente foram alteradas no final do século 16.
“Parece que alguém tinha alterado o documento medieval original de 1590 para trás, para promover um cardeal específico para o Colégio de Cardeais, para o cumprimento do que naquela época, ainda era uma lista secreta de papas,” Horn explicou.
Um defensor para o Cardeal Girolamo Simoncelli, diz Horn, provavelmente “adulterou o documento para fazer parecer que ele estava apontando para Simoncelli.”
Em “Petrus Romanus”, diz Horn, ele e Putnam “ignoraram tudo anterior a ano 1595, como parcialmente ou totalmente adulterado.”
Após 1595, no entanto, “A Profecia dos Papas” foi aberta ao escrutínio público.
Uma versão moderna das profecias de Malaquias foi publicada em 1969 pelo Arcebispo H.E. Cardinale, o Núncio Apostólico para a Bélgica e Luxemburgo.
Cardinale escreveu que “é justo dizer que a grande maioria das previsões de Malaquias sobre os Papas sucessivos é incrivelmente precisa – lembrando sempre que ele dá apenas um mínimo de informação.”
Horn observou que o irmão de Bento XVI, Georg Ratzinger, também sacerdote, sugeriu no ano passado que o pontífice poderia se aposentar aos 85 anos, argumentando que a Lei Católica permitiria que ele renunciasse se sua saúde não permitisse que ele continuasse.
Bento XVI falou sobre o assunto da renúncia papal em um livro-entrevista “Luz do Mundo”.

Perguntado se ele achava que apropriado para um papa para se aposentar, ele disse: “Se um papa percebe claramente que ele não está mais fisicamente, psicologicamente e espiritualmente capaz de lidar com os deveres do seu cargo, então ele tem o direito e, sob certas circunstâncias, também a obrigação de renunciar “.
Fonte: WorldNetDaily
Tradução: Blog Esquerdopatia

domingo, 10 de março de 2013

GOVERNO DA NORUEGA REAGE AO ISLÃ / NORVEGIA REAGISCE

EDITORIAL:
Gostaria de parabenizar o governo norueguês por essa atitude. Há anos vemos que as nações muçulmanos não respeitam o direito de liberdade religiosa em suas fronteiras, seus métodos arcaicos de religiosidade, sua intolerância ao cristianismo tem que acabar, estamos cansados de ver nossos irmãos sendo assassinados e degolados nas chamadas terras de Alá por grupos radicais islâmicos, apesar de que pessoalmente acho que Alá não tem nada a ver com isso, pois Alá é Deus clemente e misericordioso.
 
Acredito que a medida de austeridade adotada pelo governo norueguês deva ser seguida por todos os países ocidentais e que haja restrição da liberdade do Islã em terras ocidentais até que eles provem ao mundo que não são um povo bárbaro e que mantenham os seus radicais sob controle.
Vejam as fotos do que estão fazendo com os nossos irmãos nos países muçulmanos, neste caso especifico na Nigéria, sem contar que não se pode entrar nem com uma biblia na Arábia Saudita e nos países do Islã.
 
 
 
 
 


VAMOS AO TEXTO DO GOVERNO NORUEGUES:
Basta de viver se rebaixando aos assassinos de mulheres que se dizem islâmicos, mas têm por Deus apenas interesses econômicos e não praticam a solidariedade estipulada no Corão!
 
Basta di ribassarsi agli assassini di donne che si dicono mussulmani ma hanno per Dio soltanto gli interessi economici e non mettono in pratica i principi di caritá stabiliti nel Corano.
 
Basta de justificar ditaduras assassinas considerando "primitivos" povos que constroem arranha-céus de 1 km de "altitude"!
 
Basta di giustificare dittature assassine chiamando di "primitivi" popoli che costruiscono grattacieli di 1 Km di "altitudine".
 
Basta de justificar as atrocidades cometidas contra o próprio povo por um bando de ladrões que detém o poder e leva vida dissoluta no exterior!
 
Basta di giustificare le attrocitá comesse contro il popolo da un branco di ladri che governa in nome del loro conto bancario in estero. 
 
Se a França quer se humilhar e se tornar colônia marroquina, danem-se os franceses "liberais".
 
Se la Francia vuole diventare colonia marrochina, i francesi che mettano in culo le loro idee dette "liberali"!

SE NÃO HÁ IGREJAS NA ARÁBIA SAUDITA NÃO HAVERÁ MESQUITAS NA EUROPA
Se non ci sono chiese in Arabia Saidita, che non ci siano moschee in Europa!

A Noruega proibiu a Arábia Saudita de financiar mesquitas, enquanto não permitirem a construção de igrejas no seu país.
 
O governo da Noruega acabou de dar um passo importante na hora de defender a liberdade da Europa, frente ao TOTALITARISMO ISLÂMICO.
 
Jonas Gahr Stor, ministro dos Negócios Estrangeiros, decretou que não seriam aceites os donativos milionários da Arábia Saudita, assim como de empresários muçulmanos para financiar a construção de mesquitas na Noruega.
Segundo o referido ministro, as comunidades religiosas têm direito a receber ajuda financeira, mas o governo Norueguês, excepcionalmente e por razões óbvias, não aceitarão o financiamento islâmico de milhões de Euros.
 
Jonas Gahr Stor argumenta que:
“seria um paradoxo e anti-natural aceitar essas fontes de financiamento de um país onde não existe liberdade religiosa”.
 
O ministro também afirma que“a aceitação desse dinheiro seria um contra-senso”, recordando a proibição que existe nesse país árabe para a construção de igrejas de outras religiões.
 
Jonas Gahr Stor também anunciou que a “Noruega levará este assunto ao Conselho da Europa” , donde defenderá esta decisão baseada na mais estrita reciprocidade com a Arábia Saudita.
CLARO QUE ESTA NOTÍCIA QUASE QUE PASSOU DESPERCEBIDA EM PORTUGAL, DONDE POR MEDO DE REPRESÁLIAS, OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO... PREFEREM CALAR-SE !
Rocky Gadelha