quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

FORTE EXPLOSÃO SOLAR PODERÁ PROVOCAR BLECAUTES NAS PRÓXIMAS HORAS


Uma poderosa explosão solar de classe M9 deverá castigar a Terra entre terça e quarta-feira e produzirá distúrbios ionosféricos de grande magnitude. Essa é a maior explosão do Sol desde 2005 com potencial para danificar satélites e produzir sobretensões em redes de distribuição elétrica.

A explosão ocorreu no hemisfério norte do Sol às 03:59 UTC (01h59 BRT) de segunda-feira, dia 22, quatro dias depois que uma explosão na estrela produziu uma forte ejeção de massa coronal que atingiu a Terra no dia 22, provocando instabilidades geomagnéticas de média intensidade. Esta explosão fez Índice KP, que mede a instabilidade ionosférica chegar ao nível 5. Com a nova explosão o KP deve chegar ao nível 8 ou 9 nas próximas 48 horas.

De acordo com informações recebidas do Centro de Previsão de Clima Espacial dos EUA, SWPC, as partículas solares deverão atingir a alta atmosfera terrestre já a partir das 12h00 BRT de terça-feira.

Para cobrir os 149 milhões de km que separam a terra do Sol as partículas estão viajando a 4 milhões de km/h. O choque com a ionosfera será intenso e produzirá auroras boreais que poderão ser vistas até mesmo nas latitudes norte próximas de 45 graus, onde se localiza grande parte da Europa e norte dos EUA. Países localizados acima dessa latitude presenciarão as auroras com maior intensidade.

Além das auroras, a tempestade atual poderá causar reboots isolados em computadores a bordo dos satélites, interferir nas comunicações através de rádio nas faixas de baixa frequência e induzir descargas elétricas em linhas de transmissão, com possibilidade de blecautes parciais em cidades do hemisfério norte.

Importante
Apesar do intenso bombardeio por que passará a Terra, não existem riscos para pessoas ou animais. O efeito maior será causado nas altas camadas da atmosfera, especialmente a ionosfera, causando distúrbios capazes de bloquear transmissões de rádio em baixa frequência. Não estão descartadas possibilidades de desvios significativos em bússolas nas latitudes equatoriais, assim como pequenos erros de geolocalização por GPS.

Partículas Carregadas
Após uma explosão solar ocorre a chamada "ejeção de massa coronal", uma gigantesca quantidade de gás ionizado que é emanado do Sol a velocidades altíssimas que superam facilmente a marca de 1 milhão de km/h.

Quando essa ejeção de partículas vem na direção da Terra, são bloqueadas e desviadas pelo campo magnético natural do planeta que as conduz na direção dos polos. O choque produz as chamadas tempestades geomagnéticas, com os inúmeros efeitos já descritos.

Consequências
Como vimos, a primeira consequência é a possibilidade de auroras boreais nas latitudes mais elevadas, provocadas pela ionização dos átomos de nitrogênio e oxigênio na atmosfera superior. Excitado, o nitrogênio emite fótons no comprimento de luz verde enquanto o oxigênio emite luz no espectro do vermelho.

Com relação às telecomunicações, as principais interferências ocorrem nos comprimentos de onda de frequências muito baixas - VLF - onde operam equipamentos de navegação e orientação de barcos e aeronaves. No entanto, devido à redundância de instrumentos utilizados para orientação e o uso de sistemas inerciais de orientação, esse seguimento é pouco afetado por tempestades solares.

Embarcações que utilizam exclusivamente GPS para orientação poderão também perceber pequenos erros de posicionamento. O motivo é que esses instrumentos baseiam-se no tempo que as ondas eletromagnéticas chegam até o receptor. Durante as tempestades geomagnéticas a ionosfera terrestre se torna mais densa no comprimento de onda utilizado pelo sistema GPS, retardando em alguns microssegundos a recepção dos sinais. No entanto, modelos computacionais conhecidos como Ionosferic Delay permitem aos operadores do sistema levar em conta esse atraso, introduzindo correções para que o erro seja minimizado.

Tempestades solares intensas também são responsáveis por danificar equipamentos a bordo de satélites e aumentar o arrasto deles na atmosfera, tornando frequente a necessidade de reposicionamento para que seja mantida a órbita programada.

O setor elétrico também sofre com as perturbações do Sol, que geram correntes elétricas induzidas nas linhas de transmissão. Dependendo da intensidade da tempestade e da região do planeta, as correntes induzidas podem danificar transformadores e em casos mais graves até mesmo explodir equipamentos, principalmente se localizados nas latitudes elevadas.

Acompanhe diariamente a Atividade Solar

Artes: no topo, imagem captada pelo Observatório de Dinâmica Solar, SDO, da Nasa, mostra a explosão ocorrida no hemisfério norte da estrela. No vídeo, a explosão como registrada pelo Observatório Heliosférico SOHO, da ESA. A grande quantidade de ruído visto na imagem é provocada pelos prótons ao atingirem os sensores do instrumento. Créditos: Nasa/SDO, Painel Global/Meire Ruiz, Apolo11.com.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

VONTADE DE DESTRUIR O POVO JUDEU NÃO MUDOU
















Osias Wurman
Jornalista
“VONTADE DE DESTRUIR O POVO JUDEU NÃO MUDOU”
 Durante a reunião do dia 22/01 do gabinete de Israel, que marcou o 70º aniversário da Conferência de Wannsee sobre a “Solução Final” dos nazistas para o povo judeu, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que “a vontade de destruir o povo judeu não mudou”.
E acrescentou: “O governo de Israel tem o dever, direito e a capacidade para evitar a eliminação do povo judeu e do Estado judeu”.
 Netanyahu disse que a capacidade do povo judeu de se defender é a principal diferença entre 1942 e 2012.
"Não há falta de amargos inimigos nos dias de hoje", disse Netanyahu. "A vontade de destruir o povo judeu não mudou. O que mudou foi a nossa capacidade de nos defendermos, e a nossa determinação para fazê-lo."
 AM ISRAEL CHAI ! QUE VIVA O POVO DE ISRAEL !

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

CIENTISTAS PERFURAM ANTÁRTIDA EM BUSCA DE ÁGUA MAIS PURA E ANTIGA


Invisível a olho nu, o lago Vostok abriga um ecossistema único, repleto de oxigênio com níveis 50 vezes superiores aos de água doce comum. Para estuda-lo, pesquisadores estão perfurando o gelo antártico em uma exploração fundamental para o estudo da mudança climática na Terra.

A expedição russa chegou ao continente gelado em 28 de novembro de 2010 e levou mais de um mês somente para preparar os equipamentos e analisar as mudanças observadas no gelo.

"Já estamos a 3736 metros de profundidade e devem faltar entre 10 e 50 metros para chegar ao lago", disse Valery Lukin, subdiretor do Instituto de Pesquisas Árticas e Antárticas da Rússia, com sede em São Petersburgo. Segundo o cientista, o método empregado para calcular a profundidade se baseia na análise sísmica e na radiolocalização, com margem de erro estimada em 20 metros.

Embora a profundidade exata seja desconhecida, Lukin acredita que a superfície do Vostok seja alcançada nas próximas semanas.

No ano passado, o perfurador superou 70 metros de gelo grosso em menos de um mês, mas os trabalhos tiveram que ser suspensos em novembro, quando o aumento da pressão e a diminuição das temperaturas obrigaram a paralisação das máquinas.

Para os pesquisadores russos, os resultados da exploração do lago Vostok serão fundamentais para o estudo da mudança climática na Terra durante os próximos séculos. Segundo as pesquisas, o local é único e abriga um ecossistema que está repleto de oxigênio com níveis 50 vezes superiores aos de água doce.

"A água do Vostok é provavelmente a mais pura e antiga do planeta", disse Lukin. “Não temos provas concretas, mas dados indicam que a superfície é estéril, embora nas áreas mais profundas possa haver formas de vida adequadas às condições extremas, como os termófilos e extremófilos”.

Lago Vostok
Localizado a cerca de 4 mil metros de profundidade no centro da Antártida, o lago Vostok tem cerca de 300 quilômetros de comprimento por 50 km de largura. Em algumas áreas sua profundidade atinge aproximadamente 1 km.

Sua superfície é de 15690 km quadrados, equivalente ao lago Baikal, localizado na Sibéria e considerado o maior reservatório de água doce do mundo.

Graças ao seu peculiar enquadramento geográfico, o lago permaneceu desconhecido por muito tempo e só foi descoberto em 1957 por cientistas russos, mas apenas em 1996 se descobriu a sua verdadeira extensão.

O lago permanece como uma das últimas zonas por explorar do planeta Terra e devido ao seu isolamento da atmosfera, presume-se que sua água esteja aprisionada há pelo menos 1 milhão de anos.


Arte: Imagem mostra a localização do lago Vostok, abaixo do gelo Antártico. Crédito: Arctic and Antarctic Research Institute, Apolo11.com.
 

domingo, 1 de janeiro de 2012

TERREMOTO DE 7 GRAUS SACODE LITORAL CENTRAL DO JAPÃO


QUE 2012 SEJA UM ANO DE BÊNÇÃOS PARA O POVO JAPONÊS



















Um terremoto de 7 graus de magnitude na escala aberta de Richter aconteceu neste domingo no mar, ao sul do litoral central do Japão. Não há informações de danos e não foi emitido alerta de tsunami. 

A Agência Meteorológica do Japão informa que o terremoto ocorreu às 14h28 hora local (3h28 de Brasília) em águas afastadas da área central de Torishima Kinkai, a uma profundidade de 370 km.

O terremoto alcançou uma intensidade 4, na escala japonesa fechada de 7 graus centrada nas áreas afetadas mais que na intensidade do tremor, em cidades das regiões assoladas pelo terremoto do dia 11 de março como Iwanuma, na província de Miyagi; Hitachi, na de Ibaraki; e Minamisoma, em Fukushima.

Além disso, em Tóquio o terremoto foi sentido com uma intensidade de 4 na escala japonesa no distrito de Chiyoda e de 3 em outros como Minato e Shinjuku, sem que se tenham registrado incidências. Segundo a televisão japonesa NHK, o tremor não causou nenhuma alteração e tanto os trens como os principais aeroportos operam com normalidade.

O Japão fica sobre uma das zonas sísmicas mais ativas do mundo por isso que os terremotos ocorrem com relativa freqüência, embora na maioria dos casos não tenha graves conseqüências. O terremoto e posterior tsunami que arrasou o nordeste do país no dia 11 de março causaram 15.844 mortos e 3.451 desaparecidos, segundo dados atualizados em 30 de dezembro pela Polícia japonesa.
Fonte: Terra Noticias