domingo, 4 de novembro de 2012

LUA EM FORMA DE ''U' E HALO SOLAR, ESTÁ MESMO TUDO NORMAL?

Achei esta matéria no blog www.evoluindo-sempre.blogspot.com e como ela é muito interessante resolvi publicá-la. Na verdade estamos de olho nos sinais dos tempos, sinais na lua, no sol e nas estrelas, e a matéria na realidade é muito intrigante.

Anomalias na Lua - Anomalias nos Planetas - O sistema solar está desacelerando

Oi pessoal,
 
Muitos leitores me deixaram links sobre anomalias percebidas na lua recentemente. Uma lua quarto-crescente em forma de U. Eu estava com umas pulguinhas atrás da orelha e por isso não postei sobre o assunto antes, precisava pesquisar mais a respeito, mas o Guevara do blog Caminho Alternativo já fez uma excelente pesquisa complementar a respeito. No finalzinho do post em comentário do blog, ele descreve o que descobriu, não é um fenômeno comum mas acontece uma ou duas vezes por ano, chamado de Lua Molhada ou Lua Seca pelas civilizações antigas. Clique no link do blog para ler na íntegra.
Aproveito para indicar o espaço para aqueles que não conhecem, eu adoro o blog, muitas notícias e comentários sensatos que estão rolando por aí, vem dele.
Em relação à anomalias na Lua que não tem relação com a quarto crescente em forma de U:
O investigador Lorenzo Iorio, Associado da Universidade de Cornell, explica as anomalias observadas recentemente na órbita e a posição da lua, e examina o impacto de variações hipotéticas do corpo gravitacional Transplutoniano detectados e a incidência desse objeto no conjunto de órbitas entre o Sol, a Terra, e Lua.
Eles analisaram a incidência da anomalia chamada de "f" e que varia de acordo com a posição do candidato que ele chama de "putativo" transplutoniano "X".
De fato, em sua citação no texto:
"Um candidato promissor para explicar o aumento anômalo na excentricidade Lunar podem ser primariamente devido a uma massa corporal transplutoniano chamada " x " passos significativos localizados na periferia remota do sistema solar, este objeto seria hipoteticamente de órbita elíptica em torno de um pronunciado de nosso sol.
Na verdade, a disrupção resultante de tal corpo, pode causar efeitos a longo prazo e efeitos duradouros e que depende da posição espacial do "X" no céu"
Os métodos de cálculo que de Lorenzo são interessante, traz para o estudo da localização os movimentos do Planeta "X", ao rever o modelo já proposto no passado por Yukawa, que corrigiu o modelo gravitacional de Newton.
Ele desenvolveu um modelo interessante de equações diferenciais que serão úteis para a identificação de posição, e análise dos distúrbios do sistema solar, devido ao objecto "X".
Você pode acompanhar os estudos, métodos e os cálculos publicados no site da Universidade de Cordell
Vale lembrar também que:
A taxa de rotação de Vênus abrandou
A Agência Espacial Europeia (ESA) descobriu que a rotação de Vênus é mais lento do que as medições anteriormente determinadas. Na verdade, a taxa de rotatividade é de 6,5 minutos mais curto do que se pensava.
Especificamente, graças a observações realizadas com VIRTIS (Imaging Spectrometer visível e infravermelha térmica), um espectrômetro capaz de obtenção de imagens do planeta através da camada espessa de nuvem que o rodeia, os cientistas descobriram que algumas dessas características da superfície de Vênus tinham movido mais de 20 quilômetros sobre o lugar onde deveriam estar, à taxa de rotação aceito. Esta taxa de rotatividade foi definido no início dos anos 90 do século XX, a partir de medições da missão Magellan da NASA . Essa missão especificou que em Vênus, a duração do tempo necessário para completar a rotação do planeta é de 243.0185 dias correspondente à terra.
Vênus é o planeta do sistema solar, com o período mais lenta rotação. Mas poderia ser ainda mais reduzido.
Segundo os pesquisadores, embora a causa dessa redução no tempo de resposta é desconhecida, as informações obtidas serão essenciais para planejar novas missões a locais específicos desse mundo enigmático.
Fonte da notícia: http://www.tendencias21.net/El-ritmo-de-rotacion-de-Venus-se-ralentiza_a10168.html?preaction=nl&id=1453142&idnl=107115&
 
Anomalias também em outros planetas:
 
 

E para terminar, via Caminho Alternativo:

O sistema solar está desacelerando
Um grupo internacional de cientistas concluiu que a velocidade do sistema solar diminuiu em relação ao gás que preenche o espaço interestelar.

Os investigadores chegaram a esta conclusão após analisar os dados coletados pelo satélite IBEX (Interstellar Boundary Explorer), que foi lançado em outubro de 2008 e que gira ao redor da Terra numa órbita elíptica com um apogeu de 300.000 quilômetros.

A sonda registra as partículas que penetran na heliosfera, a região espacial que se encontra sob a influência do vento solar e seu campo magnético. Em particular, captura os átomos neutros do hélio que conseguem entrar na heliosfera porque não estão carregados e não sofrem a influência do campo magnético.

Estas medições mostraram que em 2009-2010 a velocidade do sistema solar no espaço interestelar foi de 22,8 quilômetros por segundo. Porém, dados semelhantes obtidos em 1993 pela sonda cósmica Ulysses mostraram que a velocidade era de 26,3 quilômetros por segundo.

Segundo Vladislav Izmódenov, especialista do Instituto de estudos cósmicos (IKI, segundo suas siglas em russo) que participa na análise dos dados da IBEX, os investigadores tentam entender a causa desta “desaceleração” do Sol no espaço interestelar. Atualmente vários equipes cientificas trabalhan para resolver o enigma.

Os cientistas não descartam que a diferença de velocidade seja que o sistema solar se encontra atualmente numa região da galáxia onde o meio interestelar (conteúdo de matéria e energia que existe entre as estrelas dentro de uma galáxia), é diferente da região onde nosso astro se encontrava há 19 anos.

Muitas das questões que planteiam os resultados da análise dos dados da IBEX, poderiam ser resolvidas pelas sondas Voyager-1 e Voyager-2, lançadas em 1977. O primeiro alcançou o passado mês de dezembro o ultimo limite do sistema solar, na denominada região de estancamento, na capa mais exterior da borbulha que rodeia nosso sistema solar.
 
A espessura desta fina capa se desconhece, e por isso os astrônomos não podem prever quando a sonda alcançará o espaço interestelar.

Fontes: RT e Maestro Viejo

Comentário do blog:

Conforme divulgado em outro post, a sonda IBEX além de detectar partículas “alienígenas” vindas do cosmo, detectou a desaceleração do Sol em sua viagem pela galáxia.

O modelo ensinado do nosso sistema solar é o Sol fixo e os planetas orbitando ao seu redor. Bem, neste vídeo, Nassim Haramein nos mostra uma outra perspectiva, o Sol viaja pelo espaço e os planetas o seguem numa trajetória em espiral. Confira!

Desligue o player da radio do blog e assista ao video!
 

O que foi mostrado no vídeo está de acordo com a conclusão dos cientistas na notícia publicada, o nosso Sol, consequentemente nós, estamos em outra região da galáxia.

Se o leitor acompanha o blog, verá que eu postei um PDF de um artigo de Haramein titulado “A Origem do Giro“, onde é explicado que tudo gira.

O nosso Sol, nosso Planeta e nós mesmos sempre estivemos viajando numa velocidade incrível pela galáxia e muitos nem sabem disso. A pergunta agora é:

- Onde nós realmente estamos na galáxia e para onde nós estamos indo?

-----------------------------------------------------------------------------------------------
Adoro lembrar que está tudo conectado, o que acontece no macro acontece no micro...assim na Terra como Céu...Faças as conexões, ligue os pontinhos.

Ravena

Nenhum comentário:

Postar um comentário