sexta-feira, 25 de novembro de 2011

PT PEDIRÁ CASSAÇÃO DE BOLSONARO POR INSINUAÇÃO SOBRE DILMA

Na nossa opinião, o Deputado Jair Bolsonaro é a voz de Deus na Câmara Federal porque defende a família e os heterossexuais, aliás, ser heterossexual hoje em dia no Brasil vai acabar virando crime. O PT deveria criar vergonha na cara e começar a defender a família constituída de conformidade com a Sagrada Lei de Deus.
O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) causou indignação no PT ao fazer insinuações sobre a opção sexual da presidente Dilma Rousseff
Foto: Renato Araújo/Agência Brasil
MAURICIO TONETTO
O Partido dos Trabalhadores (PT) vai pedir a cassação do mandato do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) na próxima terça-feira. Em mais uma declaração polêmica sobre o homossexualismo, o parlamentar causou indignação no PT e no governo ao fazer insinuações sobre a opção sexual da presidente Dilma Rousseff (PT). Ontem, na tribuna da Câmara, ele afirmou que o Ministério da Educação (MEC) ainda planeja incluir o combate à homofobia nos currículos escolares e disparou contra Dilma. "Se gosta de homossexual, assume. Se o teu negócio é amor com homossexual, assuma".
Confira a trajetória contra o preconceito no Brasil
Politicamente incorretos: veja declarações polêmicas de políticos
"Eu acho que ele feriu o decoro parlamentar. Ele incita ódio aos homossexuais e não segue os ritos do Parlamento. Portanto, nós vamos representá-lo no Conselho de Ética e vamos pedir a cassação dele na próxima terça-feira", informou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), líder do PT na Câmara. Hoje, ao Terra, Bolsonaro afirmou que não quis ofender e que não se interessa pela opção sexual de Dilma, apenas pela exclusão do chamado kit-gay das escolas.
"Eu não tenho que pedir desculpas para a presidente. Tudo que eu falo é motivo de processo, então eu acho que tenho que ficar quieto em Brasília. Qualquer escorregada minha é motivo para processo, mas eu não vou parar de falar. O dia que eu parar de falar, não fico mais em Brasília", afirmou Bolsonaro, dizendo não temer um processo de cassação.
Domingos Dutra (PT-MA), que ocupava a presidência da sessão, determinou a retirada das declarações das notas taquigráficas atendendo a pedido do deputado Marcon (PT-RS). Caberá agora ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), decidir se o discurso ficará registrado nos documentos da Casa ou será retirado da história oficial da Câmara.
Fonte: Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário