terça-feira, 15 de março de 2011

TERREMOTO MOVEU COSTA DO JAPÃO, ALTEROU O EQUILIBRIO DA TERRA E REDUZIU DURAÇÃO DOS DIAS

A costa do Japão pode ter se movido cerca de quatro metros para leste, mudando a Terra em relação a seu eixo em 16,5 cm
BBC Brasil

A costa do Japão pode ter se movido cerca de quatro metros para leste após o terremoto de magnitude 8,9 que atingiu o país na última sexta-feira, afirmaram especialistas.

Dados da rede japanesa Geonet - recolhidos de cerca de 1,2 mil estações de monitoramento por satélite - sugerem que houve um deslocamento em grande escala após o terremoto.

Roger Musson, da agência geológica britânica (BGS, na sigla em inglês), disse à BBC que o movimento ocorrido após o terremoto era "compatível com o que acontece quando há um terremoto desse porte".

O terremoto provavelmente mudou o equilíbrio do planeta, movendo a Terra em relação a seu eixo em cerca de 16,5 cm. O tremor também aumentou a velocidade da rotação da Terra, diminuindo a duração dos dias em cerca de 1,8 milionésimos de segundo.

A agência meteorológica do Japão propôs aumentar a magnitude do terremoto para 9. Isso faria do tremor o quinto maior da história desde que tremores começaram a ser registrados. Outras agências, no entanto, ainda não atenderam ao chamado.

Brian Baptie, também da BGS, explicou que o tremor ocorreu na zona de subducção, como é chamada a região onde duas placas tectônicas se unem - no caso do Japão, a Placa do Pacífico a leste, e outra placa a oeste, que muitos geólogos acreditam ser uma continuação da Placa Norteamericana. A Placa do Pacífico está se movendo para oeste sob o Japão. E, à medida que isso acontece, arrasta com ela a Placa Norteamericana para baixo e para oeste.

Quando o terremoto ocorreu, a placa que estava por cima deu uma guinada para cima e para leste, liberando a energia acumulada enquanto as duas placas estavam em atrito. Isso mexeu com o leito do oceano, deslocando uma enorme quantidade de água - o que levou a um tsunami.

Ken Hudnut, um geofísico da agência de geologia dos EUA, em Pasadena, na Califórnia, disse à rede MSNBC que informações que dependem de dados de GPS como mapas, navegadores por satélite usados em carros e registros de propriedade terão que ser mudados no Japão após o terremoto.

"A rede nacional (japonesa) que define limites de propriedades foi mudada", disse ele. "Cartas náuticas terão que ser revisadas por conta da mudança da profundidade da água", afirmou.

País se aproxima de desastre nuclear após incêndio e nova explosão no complexo de Fukushima Dai-ichi
Moradores de Koriyama, na Provincia de Fukushima, se dirigem a um centro para terem seus niveis de radiação verificados (Foto AP)
Novos problemas na usina de Fukushima Dai-ichi aproximam o Japão de um desastre nuclear. Nesta terça-feira, o governo japonês afirmou que os níveis de radiação após um incêndio e três explosões na usina já podem afetar a saúde humana.

A empresa que opera a usina, Tokyo Electric Power (Tepco), informou que o nível de radiação no local está elevado. Uma hora de exposição à radiação agora supera em oito vezes o limite legal de exposição à radiação em um ano.

Usando máscaras, moradores de Koriyama, na província de Fukushima, se dirigem a um centro para terem terem seus níveis de radiação verificados (15/03)

Em pronunciamento na televisão, o primeiro-ministro Naoto Kan pediu calma à população e recomendou àqueles que vivem a menos de 30 km da usina que não saiam de casa. Kan também determinou que os moradores que ainda estão a menos de 20 km da usina deixem o local. "Ainda há um risco muito alto de que mais radiação vaze", afirmou.

O temor de que possa haver o derretimento dos núcleos dos reatores do complexo nuclear, que fica 250 km a nordeste de Tóquio, aumentou após uma nova explosão na manhã desta terça-feira (horário do Japão), a terceira desde o terremoto que atingiu o país há quatro dias. A explosão ocorreu no reator 2, que os engenheiros tentavam estabilizar. Outros dois reatores já haviam sofrido explosões.

Um incêndio no reator 4 nesta terça-feira também teria levado a vazamentos radioativos. Segundo a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), o incêndio já foi controlado e as autoridades japonesas dizem que há a possibilidade de o fogo ter sido causado por uma explosão de hidrogênio.

Segundo a agência de notícias japonesa Kyodo News, foram detectados níveis de radiação mais altos ao sul de Fukushima. Em Tóquio, os níveis estariam acima do normal, mas sem apresentar riscos à saúde, segundo o governo.

Outras explosões

Na manhã de segunda-feira, uma explosão no reator número 3 da usina deixou 11 feridos, um deles em estado grave. A explosão foi sentida a 40 quilômetros da usina e fez com que uma imensa coluna de fumaça tomasse o local.

Já a primeira explosão ocorreu no sábado, quando o reator 1 teve problemas. Desde então, foram retiradas cerca de 185 mil pessoas de um raio de 20 quilômetros da usina e 22 estão sob tratamento por exposição à radiação.

As explosões foram precedidas por problemas no sistema de resfriamento dos reatores, que pararam de funcionar em consequência do terremoto que atingiu o país na sexta-feira, seguido por um tsunami.

As explosões em Fukushima causaram preocupação em diversos países do mundo com suas próprias instalações. Os governos da Índia, Alemanha, Suíça e Áustria também anunciaram mudanças em seus programas nucleares.

Revisão de magnitude

Especialistas do Instituto de Geofísica dos Estados Unidos (USGS) elevaram de 8,9 para 9 a magnitude do terremoto de sexta-feira, o que o torna o quarto mais forte já registrado no mundo desde 1900, informou a instituição.

Até agora, o mais forte terremoto do Japão tinha acontecido em 1933. Com 8,1 graus de magnitude, o tremor atingiu a região metropolitana de Tóquio e matou mais de 3 mil pessoas. Os tremores de terra são comuns no Japão, um dos países com mais atividades sísmicas do mundo, já que está localizado no chamado "anel de fogo do Pacífico".

O país é atingido por cerca de 20% de todos os terremotos de magnitude superior a 6 que acontecem em todo o planeta.
Com BBC e AP

Nenhum comentário:

Postar um comentário