quarta-feira, 31 de março de 2010

EVENTOS ADVERSOS PÓS VACINAÇÃO H1N1

ANVISA: Documento de Estratégia de Vacinação Nacional Contra H1N1 Prevê Doenças Graves como Guillan Barre

A ANVISA lançou, em 12 de março, uma versão atualizada do Protocolo de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pós-Vacinação – H1N1. Neste documento, pode ser encontradas informações sobre os tipos de vacinas aplicados, esquema vacinal para os diversos grupos populacionais e, é claro, os eventos adversos esperados (EAPV). Aí é que começa a ficar interessante.

Este documento pede especial atenção para os seguintes eventos adversos graves:

• Síndrome de Guillain-Barré (SGB) (página 23)

O documento descreve as características da SGB, além de critérios diagnósticos. Informa, por exemplo, que a gravidade máxima da SGB poderá ser atingida em quatro semanas,

• Encefalites, encefalomielites e mielites

Basicamente são processos inflamatórios no sistema nervoso central. A principal manifestação clínica na encefalite é representada por alteração do comportamento ou do estado de consciência do paciente, o qual varia desde irritabilidade, agitação, delírio, desorientação até sonolência, embotamento e coma.

• Neurite óptica

É uma inflamação do nervo óptico que pode causar perda parcial súbita da visão do

olho afetado.

• Anafilaxia

Também conhecida por reação de sensibilidade imediata tipo I de Gel e Coombs é uma emergência médica de instalação súbita e inesperada, com manifestações clínicas iniciando em segundos ou minutos após a exposição à substâncias ou alergenos (vacina)

administrados.

• Morte súbita e inesperada

A morte súbita, quando se excluem todas as causas violentas de óbito (homicídio, suicídio, envenenamento, traumas, acidentes, etc.) é definida como morte instantânea ou dentro de 24 horas após o início dos sinais e sintomas que não se pode explicar.

Morte súbita é aquela que se produz rapidamente em um indivíduo aparentemente em boa saúde até então.

Vemos então que estas informações não estão sendo devidamente divulgadas. Existem chances reais de estes efeitos adversos já estarem acontecendo.

Vejamos por exemplo o caso da criança de menos de 2 anos que morreu no Pará. Não houve nenhuma divulgação do caso.

Neste documento existe uma grande lista de órgãos responsáveis pela coleta das informações de reações adversas. Estou entrando em contato com eles para tentar conseguir alguns dados. No entanto, eu duvido muito que irão liberar tais informações. Eu lhes manterei informados.

Fontes:

Protocolo de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pós-Vacinação (26 de março de 2010)

Blog Akademia Medica: Novos Protocolos na H1N1: Ações na Atenção Primária e Eventos Adversos Pós-VacinaçãoA ANVISA lançou, em 12 de março, uma versão atualizada do Protocolo de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pós-Vacinação – H1N1. Neste documento, pode ser encontradas informações sobre os tipos de vacinas aplicados, esquema vacinal para os diversos grupos populacionais e, é claro, os eventos adversos esperados (EAPV). Aí é que começa a ficar interessante.

fimdostempos.net

terça-feira, 30 de março de 2010

ACELERADOR DO CERN RECRIA SITUAÇÃO PÓS BIG BANG SEGUNDO OS CIENTISTAS

Acelerador do Cern recria situação pós Big Bang que segundo os cientistas envolvidos é para recriar a situação após a explosão que segundo eles deu origem ao universo, eles só se esqueceram que o Criador não precisa explodir nada para criar alguma coisa e garantem que a experiência realizada na manhã de hoje somente criaram alguns pequenos buracos negros que logo se dissipam e não oferecem risco nenhum ao planeta. Mais uma desgraça em andamento!


GENEBRA - Pela primeira vez, cientistas conseguiram nesta terça-feira fazer o maior colisor de partículas do mundo - o Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês) - funcionar e recriar uma situação similar aos instantes posteriores ao Big Bang, a grande explosão que deu origem ao universo.

A colisão de feixes de prótons, feita a uma energia de 7 TeV teraeletrovolts, foi alcançada após duas tentativas fracassadas. O LHC conseguiu colidir dois feixes de prótons a uma velocidade três vezes maior que o recorde anterior. Segundo os cientistas responsáveis pelo LHC, a energia de 7 TeV teraeletrovolts é recorde.
Cientistas do Cern comemoram resultado de experiência (Imagem/AP)
O sucesso do experimento abre as portas para uma nova fase na física moderna, já que agora será possível dar respostas a inúmeras incógnitas sobre o universo e a matéria, segundo os cientistas do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern).

Projeto de US$ 10 bilhões, o LHC realiza as colisões de feixes de prótons como parte de uma ambiciosa experiência que busca revelar detalhes sobre micropartículas e microforças teóricas.

A ideia é que esses testes ajudem a lançar luz sobre as origens do universo, além de responder a importantes questões da física. As colisões representam uma nova era na ciência para os pesquisadores que trabalham no LHC, que fica na fronteira entre Suíça e França e faz parte do Cern.

Os pesquisadores na sala de controle do Cern aplaudiram quando as primeiras coalizões bem-sucedidas ocorreram. Vários cientistas pelo mundo acompanham os trabalhos. O LHC foi lançado com pompas em 10 de setembro de 2008, mas apresentou problemas nove dias depois. Os reparos e as melhorias custaram US$ 40 milhões, até que o aparelho voltou a operar no fim de novembro.

As colisões, porém, causaram receio em algumas pessoas, que temiam riscos para o planeta por causa da criação de pequenos buracos negros - versões subatômicas de estrelas que entram em colapso gravitacional -, cuja gravidade é tão forte que eles podem sugar planetas e outras estrelas. O Cern e muitos cientistas rejeitam qualquer ameaça à Terra ou às pessoas, afirmando que esses buracos negros seriam tão fracos que se desfariam quase logo após serem criados, sem causar problemas.
Display mostra a atividade durante a colisão de partículas (Imagem/AP)
A energia extra obtida no LHC europeu deve revelar dados sobre algumas questões ainda não respondidas na física de partículas, como a existência da antimatéria e a busca pelos bósons de Higgs, uma partícula hipotética que, segundo cientistas, daria massa a outras partículas e, com isso, para outros objetos e criaturas no universo.

Os cientistas também esperam analisar, em escala mínima, o que ocorreu nos segundos após o Big Bang, que segundo eles foi o momento de criação do universo, cerca de 14 bilhões de anos atrás.

*Com informações da EFE, AFP e Agência Estado
Leia mais sobre: Colisor de Hádrons

segunda-feira, 29 de março de 2010

BEBÊ MORRE AO RECEBER VACINA CONTRA A GRIPE SUINA H1N1

Criança faleceu à caminho do Hospital
Itaituba - Em Fordlândia, sudoeste do Pará, foi registrada a morte de um bebê, de apenas 1 ano e 4 meses, após a aplicação da Vacina contra o vírus H1N1.

Na última terça-feira (23), o menino recebeu a primeira dose da vacina e horas depois começou a passar mal. De acordo com informações a criança já estaria com febre antes de tomar a medicação.

De volta ao posto de saúde o bebê foi medicado com antialérgico, porém o estado de saúde se agravou ainda mais. A criança foi levada de barco para Itaituba mais faleceu durante a viagem.

Suzy Loyola com informações da Tv Liberal

China também Reporta Problemas de Paralisia com a Vacina Contra a Gripe Suína / H1N1
Guangzhou/China - Autoridades de controle e prevenção de doenças em Guangzhou (Cantão) receberam relatos de que algumas crianças ficaram doentes ou paralisadas após receberem a vacina contra o H1N1, em meio ao atual escândalo da vacina na província de Shanxi.

Após uma investigação inicial, alguns casos em Guangzhou, capital da província de Guangdong, têm sido estranhamente ligados à vacinação, disse Wang Ming, diretor do Centro de controle e prevenção de Doenças de Guangzhou.

“Nós conduzimos uma investigação imediata após o recebimento dos relatórios. Até agora, não podemos dizer se os casos estão definitivamente ligados com a vacinação“, disse Wang a Yangcheng Evening News na quarta-feira.

É necessária mais investigação para preparar uma avaliação completa, segundo Wang.

Em um caso recente, Xian Weijian, um estudante de 10 anos do distrito de Baiyun, descobriu que não podia se apoiar na perna esquerda na noite depois que recebeu uma vacina contra a gripe H1N1 na escola na segunda-feira.

Xian foi dos 1.000 alunos que receberam a vacinas na escola naquele dia. O resto dos alunos não desenvolveu qualquer doença ou sintomas desconfortáveis.

“Meu filho não tinha quaisquer problemas de saúde antes de receber a vacina. Devev haver problemas com a vacina“, disse o pai de Xian.

Xian foi enviado ao hospital infantil de Guangzhou para tratamento posterior.

“Se descobrirmos que os casos estão relacionados à vacina, iremos realizar uma investigação mais aprofundada e punir seriamente as pessoas envolvidas“, disse Wang.

O relatório do inquérito inicial foi apresentado às autoridades governamentais, mas Huang Sui, um oficial de imprensa do Serviço de Saúde de Guangzhou, disse que ainda não foi fixada data para a publicação do relatório.

O prefeito de Guangzhou, Zhang Guangning, também pediu aos departamentos relacionados para conduzirem um inquérito exaustivo sobre o caso na terça-feira após receber um telefonema de uma mulher local.

A mãe alegou que seu filho de 15 anos desenvolveu paralisia nas pernas depois de receber a vacina H1N1 no ano passado.

“Ele ficou paralisado após receber a vacina. Como podemos acreditar que seu problema não tem nada que ver com a vacinação?” , perguntou ela.

Fontes:
China Daily: More vaccine problems reported


POLITICA, ARMAS, MIDIA, DINHEIRO E MILAGRES SÃO A BASE DO IMPÉRIO DA FÉ DE WALDOMIRO SANTIAGO, SEGUNDO A REVISTA ÉPOCA

Jesus com vergonha
O quadro apresentado por Época acerca do ministério de Valdemiro Santiago mais parece uma daquelas reportagens investigativas sobre organizações criminosas aboletadas no poder com sustentáculos na política, tráfico de armas, mídia e violência.

O lead da matéria, o vocabulário, o peach, as ilustrações e quadros, tudo, enfim, favorece o entendimento geral de que se trata de uma matéria de caráter policial. Se alguém que não domina a língua portuguesa folheasse a revista e fosse inquirido acerca do teor da matéria, afirmaria, com certeza , se tratar de uma reportagem desbaratando alguma grande organização mafiosa.

Lamentavelmente, esta interpretação da mídia secular não é imerecida ou infundada. Não há como negar a parcialidade deste veículo (e muitos outros, se não a totalidade da grande mídia), visto que pertence às organizações Globo, já "useira e vezeira" oponente dos neopentecostais. Contudo, não podemos tapar o sol com a peneira. É mais do que evidente que as práticas destes grupos justificam o julgamento. Contra fatos não há argumentos.

Uma coisa é clara: Ao contrário do que diz o slogan da Mundial, "Deus NÃO está ali. " A santidade não combina com este quadro.

Veja a matéria de Época:

Milagres e milhões

Com promessas de cura e até de ressurreição, o apóstolo Valdemiro Santiago transformou sua Igreja Mundial num novo império evangélico

Mariana Sanches e Ricardo Mendonça. Com Juliana Arini, de Cuiabá (MT)

[FOTO: Um policial exibe fuzis apreendidos com pastores da Igreja Mundial em Mato Grosso do Sul. próprio Valdemiro já foi preso com armas ilegais]

Ainda que a cúpula da Mundial mantenha segredo sobre a movimentação financeira da igreja, todos concordam que o gasto mais relevante é com mídia. Um membro da cúpula afirmou que o desembolso total nessa rubrica está em torno de R$ 13 milhões por mês. “No Canal 21, o apóstolo deve estar pagando uns R$ 7 milhões, daí para mais. Na Rede TV! foi renovado por R$ 1,9 milhão. E na CNT uns R$ 800 mil”, diz o assessor Jorge Lisboa sobre os três principais contratos. Para filmar eventos externos, a Mundial contratou a produtora de TV Casablanca, a maior do setor no Brasil.

ESTELIONATO ELEITORAL NO PARANÁ

A nova ambição de Valdemiro é política. Seguindo a tendência de outras igrejas, ele quer criar sua própria bancada em Brasília e eleger um representante seu em cada Assembleia Legislativa do país. “A estratégia do apóstolo é lançar só um federal e um estadual por Estado. É para não ter competição interna”, diz Irio Rosa, escalado para ser candidato a deputado estadual no Paraná pelo nanico PSC (Partido Social Cristão). A legenda, cujos maiores expoentes são o senador Mão Santa (PI) e o ex-governador do Distrito Federal Joaquim Roriz, deverá lançar a maioria dos candidatos da Mundial. Rosa, exibido constantemente na TV da Mundial, admite que mal conhece o Paraná.“Eu queria sair candidato por Brasília, mas o apóstolo não deixou. Então, faz um ano que estou morando em Curitiba”, diz.
Um dos colaboradores mais importantes de Valdemiro fará dobradinha com Rosa no Paraná. É o executivo Ricardo Arruda Nunes, ex-presidente do desativado Banco de Crédito Metropolitano, conhecido como o banco da Igreja Universal. Nunes diz ser hoje responsável pela “estratégia financeira” da Mundial. Ele já foi investigado pela Polícia Federal e pela Procuradoria da República por suas supostas relações com empresas-fantasmas que teriam sido criadas pela Universal para lavar dinheiro. Agora, prestador de serviços para a Mundial, frequenta os cultos de Valdemiro todo domingo.

PODER Valdemiro com o prefeito Luiz Marinho (à esq.) e o senador Mercadante, que representaram Lula em São Bernardo.

Em janeiro, Valdemiro Santiago quase recebeu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu altar. A ocasião era um culto no Paço Municipal de São Bernardo do Campo, com público estimado em 50 mil pessoas. Lula chegou a confirmar presença, mas não apareceu, porque teve uma crise de hipertensão. Para representá-lo, compareceram dois petistas: o prefeito Luiz Marinho e o senador Aloizio Mercadante. “Eu não conhecia Valdemiro”, disse Mercadante. “É mesmo impressionante. Ele prega de forma muito direta, autêntica e popular. Lembra as manifestações que a gente fazia aqui neste mesmo lugar com os trabalhadores, um movimento forte, espontâneo e que incomoda as elites.” Mercadante prometeu articular um encontro de Valdemiro com Lula. Até a semana passada, nenhuma reunião tinha sido agendada.
Valdemiro procura cultivar contatos com políticos de diversas tendências. Mantém boas relações com o tucano Marconi Perillo, senador por Goiás, e com Ivo Cassol (PP), governador de Rondônia. “Imagine uma pessoa íntegra, boa, verdadeira. É ele, Valdemiro. Ele faz coisas que só Deus pode fazer”, diz Cassol. Ele costuma recebê-lo em sua fazenda, em Rondônia, para pescar. Entre os políticos de destaque, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), é o único com quem Valdemiro tem relacionamento dúbio. Em 2008, Valdemiro pediu votos para Kassab. No ano passado, quando a sede da Mundial no Brás, centro de São Paulo, foi lacrada por falta de segurança e excesso de barulho, Kassab passou a ser tratado como inimigo.

A sede do Brás é um galpão enorme e antigo, que funcionava como fábrica da família Matarazzo. Ocupa uma área de 43.000 metros quadrados e foi comprado pela igreja por R$ 60 milhões em 60 parcelas. O embargo ocorreu porque o imóvel tinha fiação exposta, piso e teto comprometidos e não contava com saídas de emergência, além de produzir muito barulho. Enquanto providenciava reformas, Valdemiro dizia que o fechamento era uma “perseguição dos poderosos à obra de Deus”. Várias vezes ameaçou retaliar Kassab nas urnas. A sede, que ficou 53 dias lacrada, é a principal fonte de renda da Mundial. “O fechamento da nossa igreja provocou um prejuízo de milhões e milhões de reais”, disse Valdemiro num culto em fevereiro, enquanto pedia mais ofertas aos seguidores.

De todos os assuntos relacionados à vida de Valdemiro, um dos mais polêmicos e misteriosos é sua saída da Universal. Valdemiro é o único dissidente de Edir Macedo que prosperou criando sua própria igreja. Depois de ocupar posições de destaque em São Paulo, Paraíba, Pernambuco e em Moçambique, Valdemiro rompeu com a Universal em 1997. Sua importância pode ser medida pelas participações societárias que acumulou. No último ano de Universal, tinha em seu nome duas TVs e três rádios FM da igreja. Há várias versões para a ruptura. Alguns dizem que Valdemiro foi expulso por desviar dinheiro da Universal. Outros dizem que ele discordou de Edir Macedo na nomeação de um bispo. Há quem diga que ele caiu em desgraça porque brigou com autoridades de Moçambique e atrapalhou a expansão da igreja por lá. Sua saída não foi amigável. “Sabe o que o Macedo fez com ele? Deu R$ 50 mil e um Gol velho. Jogou na mesa. Foi assim que o Macedo fez, ó: ‘Se você ficar, vou te dar uma liderança forte, um Audi, tudo. Se sair, leva R$ 50 mil e um Gol velho’”, afirma Didini, que deixou a Universal na mesma época. “Ganhei R$ 100 mil quando saí. O cara (Valdemiro) foi um líder, trabalhou 18 anos lá, deu a vida pela igreja e só levou R$ 50 mil.”
Com Kassab em 2005, citado nos templos como inimigo da Mundial

Parte importante do sucesso da Mundial é resultado da crise da Igreja Universal. Lideranças evangélicas dizem que a Universal começou a enfrentar problemas quando Edir Macedo passou a dedicar a maior parte de sua atenção à TV Record. “Ele deixou de ser igrejeiro, virou empresário e foi morar nos Estados Unidos, longe dos fiéis”, afirma o ex-bispo Marcelo Pires, que atuou na Universal e hoje move processos judiciais contra a igreja. “O seguidor da Universal nem vê mais o Edir pregando. Como não sente o carinho de seu líder, procura outras igrejas.” Há também o desgaste provocado pelas denúncias recentes de lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito contra líderes da Universal.

Desde a criação da Mundial, Edir Macedo nunca manifestou nenhum tipo de temor sobre a concorrente. Dias atrás, ele publicou um post em seu blog em que cita pela primeira vez a Mundial. Edir Macedo reproduziu a carta de uma fiel que teria passado pela igreja de Valdemiro. Ela diz que na Mundial viu sua vida espiritual “caindo a cada dia”. Os parceiros de Valdemiro comemoraram. Para eles, Edir Macedo passou um atestado de preocupação.

Alto escalão
Os principais nomes da cúpula da Igreja Mundial

Fonte: Danilo Fernandes - Genizah
DESPERTA BRASIL!

domingo, 28 de março de 2010

MONJA ALERTA: CAMPANHA DE VACINAÇÃO EM MASSA PODE SER ESTRATÉGIA DA NOVA ORDEM MUNDIAL

Seguem dados capazes de salvar milhares, senão milhões de vidas mundo afora.

Obrigado Sra. Teresa Forcades por expor de maneira tão fantástica tais informações.

Informações a respeito do vírus da gripe Influenza A-H1N1

De acordo com as informações que você receberá agora no vídeo abaixo, feito pela monja do Mosteiro de Sant Benet de MontSerrat na Espanha:

• O vírus desta gripe não é novo;

• O tipo "A" inserido em sua nomenclatura faz referência a vírus de surgimento sazional;

• A Influenza A-H1N1 existe desde 1917, inclusive causou uma pandemia que matou mais de 20milhões de pessoas em todo o mundo;

• A "nova" gripe tem apenas uma nova cepa, a S-OIV;

• O Primeiro diagnóstico do vírus Influenza A-H1N1 com a nova cepa S-OIV ocorreu na Califórnia, em 17/04/2007;

Outros países além do Brasil também fazem campanhas de vacinação em massa contra doenças sazonais, principalmente para diminuir seus impactos na saúde pública.

Em janeiro de 2009, antes de a gripe da cepa S-OIV fosse descoberta, a Empresa farmacêutica Baxter enviou quantidade suficiênte dos vírus da gripe aviária (potencial de mortalidade alto, potencial de infecciosidade baixo) e da gripe sazonal

(potencial de mortalidade baixa, potencial de infecciosidade alta) vivos, inclusos nos componentes das vacinas que seriam administradas nas campanhas de países da Europa.

A mídia não fez muitos esforços para esconder o ocorrido, bastou para ela não mencionar o fato em suas manchetes e chamadas.

Um laboratório da Austria resolveu fazer os testes no material recebido e verificou que todos os animais que foram inoculados pela vacina morreram, diversamente do que deveria ter acontecido.

- Veja esta notícia nos diários da época (use o Google Translate para traduzi-las para a sua língua), propositalmente estas notícias não estão em noticiários de nossa língua, se encontrarem, por favor, comentem e coloquem o link:





O mesmo laboratório, inclusive, verificou que os vírus vivos encontrados nas vacinas que provocaram a morte das cobaias não haviam sido enfraquecidos, o que diminuia em 100% as chances de as vacinas terem sido infectadas por engano.

Sim, deve ser esclarecido que para a ciência de hoje, a que se aplica por lei no mundo todo, é comum encontrar nos componentes da vacina vírus vivo atenuado, ou seja, enfraquecido.

A jornalista Bürgemeister, que incluiu na reclamação contra a Baxter a OMS e diversos governos de países que foram tolerantes ao "equívoco" da empresa.

Então, voltemos a OMS.

Em 2005, a OMS conseguiu na ONU poder para ditar as regras em todos os países signatários em caso de ocorrer uma pandemia.

Já em maio de 2009, a OMS estranhamente alterou o que se entendia por "pandemia", senão vejamos:

Antes: Pandemia é a ocorrência de uma doença em diversos países que provoca muitas mortes.

Depois: Pandemia é a ocorrência de uma doença em diversos países que contagia muitas pessoas.

Portanto, antes da aparição da nova cepa do vírus A-H1N1, a OMS já sabia o que deveria fazer para provocar o que trataremos no tópico a seguir.

O nível de Pandemia 5, declarado pela OMS em , apenas 5 dias depois de reconhecer a nova cepa,

Após ser declarada a pandemia, primeiro nos EUA, depois no mundo pela OMS, muitos países, em forma de políticas públicas, mudaram seus procedimentos e deixaram de diferenciar entre um tipo e outro de gripe.
Novidades da nova vacina:
• 02 doses anualmente, o que somada a vacina sazonal já incluída no calendário de vacinações, submeterá o indivíduo a 03 vírus vivos anuais contra a gripe.

• O coadjuvante utilizado nesta nova vacina é composto de polisorbitol e escoaleno, que foi o causador verificado de diversos efeitos secundários graves.

Inclusive, em resposta a denúncia de que o uso destes coadjuvantes poderíam ocasioar aos vacinados a síndrome de guillian-barré, a CDC afirmou que este era um risco "aceitável".Como aceitável? A CDC é o Centro de Controle de Doenças e Prevenção dos EUA.

• Por conta da pandemia e da necessidade de fabricar uma quantidade record em um tempo record, as indústrias responsáveis pela fabricação das vacinas estão conseguindo acordos milionários de isenção de responsabilidade sobre os efeitos da vacina, e os políticos envolvidos estão conseguindo acordos de impunidade, de modo a não haver responsável pelas consequencias indesejadas das vacinas.

A equipe do Libertário ainda está tentando localizar estas informações, mas as demais estão ai, para todos verem e refletirem, antes que seja tarde.

Por favor, informe-se, desligue o player da radio do blog e veja o vídeo e saiba mais.

CAMPANAS - OS SINOS DOBRAN PELA GRIPE A - PORTUGUÉS from ALISH on Vimeo.


Visite o site onde a monja diz apresentar mais informações:
http://www.catalunyareligio.cat/

Leia mais a respeito:

http://www.lawrei.eu/MRA_Alliance/?p=3333

http://www.theflucase.com/

http://www.apocalink.blogspot.com/

sexta-feira, 26 de março de 2010

GRIPE SUINA - FALSA PANDEMIA EM 1976

Desligue o player da radio do blog, assistam aos vídeos e vejam o que aconteceu:



quinta-feira, 25 de março de 2010

H1N1 - MINISTRA DA SAÚDE FRANCESA É DURAMENTE INTERROGADA SOBRE A FRAUDE DA PANDEMIA

Ministra da saúde francesa duramente interrogada sobre os conflitos de interesse na vacinação contra o H1N1


A ministra da saúde francesa, Roselyne Bachelot, foi submetida ontem a um severo interrogatório, que foi muito pior do que o esperado, na câmara parlamentar do senado da França, sobre o papel desempenhado nas empresas farmacêuticas do país na campanha de vacinação em massa contra a gripe suína.

Presidida por François Autain e Alain Milon, a comissão do Senado interrogou Bachelot por duas horas e meia sobre os potenciais conflitos de interesse, perguntando por que o governo comprou 94 milhões de doses de vacinas contra a gripe suína, por que os contratos tinham sido colocadas sob sigilo, se especialistas do governo foram realmente imparciais, e por que os médicos de família tinha sido excluído da campanha de vacinação em massa, relatou o jornal Le Monde.

Verificou-se durante o inquérito que a Novartis aceitou uma indenização de 16% para o excedente de vacina contra a gripe suína.

O governo, no entanto, não conseguiu chegar a um acordo com a GlaxoSmithKline ou a Sanofi, Batchelot revelou.

POPULAÇÃO DA FRANÇA NÃO QUIS TOMAR A TAL VACINA CONTRA A GRIPE DOS PORCOS  REBATIZADA DE GRIPE ''A'' H1N1

Apenas cerca de 7 milhões de pessoas na França aceitaram a insuficientemente testada vacina da gripe suína para a qual as empresas farmacêuticas foram dadas imunidade – deixando o governo com um estoque de quase 90 milhões de doses.

Fontes:
Le Monde: oselyne Bachelot rejette les critiques sur sa gestion de la grippe A

H1N1 - GRIPE DOS PORCOS, LEI MARCIAL À VISTA

Lei de Vacinação Obrigatória no Brasil
Para quem não sabe, temos no Brasil há quase 35 anos, um dispositivo legal que permite ao governo forçar a vacinação na população, caso “ache necessário”.

O decreto Nº 78.231, de 12 de Agosto de 1976, determina:

• Artigo 13: Parágrafo único. Consideram-se de notificação compulsória:

I – As doenças que podem implicar medidas de isolamento ou quarentena, de acordo com o Regulamento Sanitário Internacional;

Art 27. Serão obrigatórias, em todo o território nacional, as vacinações como tal definidas pelo Ministério da Saúde, contra as doenças controláveis por essa técnica de prevenção, consideradas relevantes no quadro nosológico nacional.

Parágrafo único. Para efeito do disposto neste artigo o Ministério Saúde elaborará relações dos tipos de vacina cuja aplicação será obrigatória em todo o território nacional e em determinadas regiões do País, de acordo com comportamento epidemiológico das doenças.

Art 28. As Secretarias de Saúde dos Estados, do Distrito Federal, e dos Territórios poderão tornar obrigatório o uso de outros tipos de vacina para a população de suas áreas geográficas desde que:

I – Obedeçam ao disposto neste Decreto e nas demais normas complementares baixadas para sua execução pelo Ministério da Saúde;

II – O Ministério da Saúde aprove previamente, a conveniência da medida;

III – Reúnam condições operacionais para a execução das ações.

Gripe A
Ministério Público Federal do Estado do Paraná pede na Justiça que todo paranaense seja vacinado

Médicos já haviam feito o mesmo pedido na semana passada. Paraná foi um dos mais atingidos pela doença em 2009.

O Ministério Público Federal (MPF) no Paraná ajuizou, ontem, na Justiça Federal em Curitiba, uma ação civil pública para que todos os paranaenses sejam vacinados contra a gripe A, a influenza H1N1. Na ação, o MPF pede que a Justiça “determine a imediata aquisição e disponibilização da vacina contra a H1N1 em quantitativo suficiente a suprir a demanda de toda a população do Estado do Paraná”. Na semana passada, entidades médicas e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) já haviam feito o mesmo pedido ao Ministério da Saúde.

A justificativa das autoridades médicas é que a vacinação mássica da população garantiria que a gripe A não fizesse tantos óbitos quanto no ano passado. Balanço da Sesa mostra que no ano passado 294 pessoas morreram em decorrência da doença no Estado, 48 em Curitiba. No total, foram mais de 63 mil casos de gripe diagnosticados. Neste ano, conforme balanço do dia 18 de março, 459 pessoas tiveram a confirmação da doença e sete morreram. A ação do MPF foi ajuizada ontem e distribuída para a 2ª Vara Federal de Curitiba.

“Confiamos na eficácia da vacina e queremos, inclusive, que seja estendida a todos os paranaenses. Já formalizamos o pedido junto às autoridades sanitárias nacionais”, disse o presidente da Associação Médica do Paraná (AMP), José Fernando Macedo, durante uma reunião feita na semana passada na sede da AMP e que reuniu a Sesa, o Conselho Regional de Medicina (CRM), a Sociedade Paranaense de Infectologia e a própria AMP. O encontro serviu para unificar as informações a respeito da gripe A e desmistificar boatos sobre a eficácia da vacina.

O secretário de Estado da Saúde, Gilberto Martin, também participou do encontro. Naquele dia ele reiterou que o Paraná seguirá as diretrizes do Ministério da Saúde com relação à vacina, mas que a ampliação da campanha no Estado já havia sido pleiteada junto ao governo federal.

O Ministério da Saúde segue o protocolo da Organização Mundial da Saúde (OMS), que preconiza a imunização dos grupos de risco verificados na primeira onda da pandemia de gripe A, no inverno passado. A campanha nacional começou no dia 2 de março, vacinando profissionais da saúde e grupos indígenas. No começo desta semana, teve início a segunda fase da campanha, com a vacina disponível para gestantes, crianças entre seis meses e dois anos de vida e doentes crônicos. As próximas fases incluem os adultos de 20 a 29 anos e de 30 a 39 anos.

Vacinar o grupo de 30 a 39 anos foi uma decisão do Ministério, já que ele não estava entre os de risco apontado pela OMS. Mas como no ano passado foram verificadas muitas complicações nesta faixa etária, o ministério a incluiu. Da mesma forma, as autoridades médicas do Paraná acreditam que o Ministério pode ampliar a vacinação nos estados do Sul, que passam por um inverno mais rigoroso que os demais estados.

No Brasil todo, a campanha tem público alvo de 92 milhões de pessoas. A meta da Saúde é imunizar até 80% deste contingente. A vacinação se estende até meados de maio, antecedendo o inverno no Hemisfério Sul. “Se tivermos um inverno rigoroso, a população precisa estar protegida”, explicou o presidente do Conselho Regional de Medicina no Paraná (CRM-PR), Miguel Hanna Sobrinho, que também participou da reunião da semana passada na AMP.

terça-feira, 23 de março de 2010

A SERVIÇO DE DEUS

Australiano com sangue raro já salvou mais de 2 milhões de bebês

O australiano James Harrison, dono de um tipo sanguíneo raro, já salvou a vida de 2 milhões e 200 mil recém-nascidos, incluindo a do próprio neto.

Seu plasma sanguíneo é usado na criação de uma vacina aplicada em mães para evitar que seus bebês sofram da doença de Rhesus, também conhecida como doença hemolítica ou eritroblastose fetal.

A doença causa incompatibilidade entre o feto e a mãe. Ela acontece quando o sangue da mãe é Rh- e, o do bebê é Rh+. Após uma primeira gravidez nestas condições ou após ter recebido uma transfusão contendo sangue Rh+, a mãe cria anticorpos que passam a atacar o sangue do bebê.

O sangue de Harrison, de 74 anos, no entanto, é capaz de tratar essa condição mesmo depois do nascimento da criança, prevenindo a doença.

Sydney Morning Herald

Harrison: "homem do braço de ouro"

Após as primeiras doações à Cruz Vermelha australiana, descobriu-se a qualidade especial do sangue de Harrison. Foi quando ele ganhou o apelido de "o homem com o braço de ouro".

"Nunca pensei em parar de doar", disse Harrison à mídia local. Em mais de uma década, ele fez 984 doações de sangue e deve chegar a de número mil ainda nesse ano.

Harrison se tornou voluntário de pesquisas e testes que resultaram no desenvolvimento de uma vacina conhecida como Anti-D, que previne a formação de anticorpos contra eritrócitos Rh-positivos em pessoas Rh-negativas.

Antes da vacina Anti-D, Rhesus era a causa de morte e de danos cerebrais de milhares de recém-nascidos na Austrália.

Aos 14 anos de idade, Harrison teve de passar por uma cirurgia no peito e precisou de quase 14 litros de sangue para sobreviver. A experiência foi o que o levou, ao completar 18 anos de idade, a passar a doar com constância o próprio sangue.

Seu sangue foi considerado tão especial que o australiano recebeu um seguro de vida no valor de um milhão de dólares australianos, o equivalente a R$ 1,8 milhão.

Fonte: BBC Brasil / IG


APENAS 7% DA POPULAÇÃO DA FRANÇA ACEITOU TOMAR A VACINA DA GRIPE DOS PORCOS H1N1

AFP – Ministra francêsa de saúde chamada para depor ao senado na próxima semana sobre a falsa pandemia de gripe suína


Gripe SuínaA ministra francês da Saúde Roselyne Bachelot está programada para depor sobre a campanha de vacinação contra a gripe suína na França em uma investigação do Senado em 23 de março, segundo a AFP.

Francois Autain, o chefe da comissão, disse que o inquérito deveria se “concentrar basicamente sobre as relações incestuosas” entre as empresas farmacêuticas e o governo, dizendo que estas ligações “explicariam a situação em que estamos”.

5,5 milhões de pessoas na França, ou 7% da população, receberam a vacina da gripe suína, após uma campanha sem precedentes por parte do governo e da mídia. Esta é a maior diferença na proporção das vacinas compradas e aplicadas.

No final de Agosto de 2009, foram divulgados os planos de Bachelot para vacinar toda a população francesa em centros especiais de vacina contra a gripe suína.

Planos para suspender os direitos civis sob o pretexto de combater uma pandemia também foram divulgados.

Autain disse que os riscos associados ao vírus gripe suína haviam sido “superestimado”, e objeto de uma dramatização “.

Ele disse que o papel dos “especialistas” precisava também ser investigada, constatando que os mesmos peritos que aconselharam o governo também aconselharam as empresas farmacêuticas.

Ambas as câmaras do parlamento francês – o Senado e a Assembléia Nacional – anunciaram investigações sobre a campanha de vacinação em massa com a vacina da gripe suína.

Fontes:
AFP-Grippe H1N1 : Bachelot le 23 mars devant la commission d’enquête du Sénat



segunda-feira, 22 de março de 2010

O CASO DAS VACINAS CONTRA A GRIPE PORCINA - DE NOVO!

Trata-se da mais aberrante empulhação criminosa, o que está custando vidas com lesões neurológicas permanentes, além de óbitos desnecessários pois, como diz na própria resolução, vacinou-se pessoas saudáveis para fazê-las adoecer.

Recebi hoje de manhã um e-mail de um amigo querendo confirmação a respeito de uma nota escrita por mim no ano passado sobre a gripe porcina (H1N1) e, embora não fosse minha intenção voltar a falar neste assunto, pelo menos não no Notalatina, vi-me forçada a fazê-lo considerando que começou a vacinação no Brasil desde o dia 10. Na nota que escrevi em 10 de outubro do ano passado, eu já alertava para o perigo de se tomar a tal vacina e da fraude monstruosa que fora criada para justificar uma vacinação em massa absolutamente desnecessária, e qualificar tal enfermidade como sendo uma “pandemia”.

Baseava-me, naquela ocasião, nos depoimentos de duas pessoas sérias: a monja beneditina catalã, Teresa Forcades, e a jornalista austríaco-irlandesa Jane Bürgermeister. Continuo acreditando na seriedade do trabalho dessas duas senhoras e confiando que ambas falam a verdade. E é por isso que retomo o tema, considerando que o tal “alarme pandêmico” vem sendo desacreditado desde janeiro deste ano pela União Européia, baseada nas denúncias feitas por essas duas estudiosas mas, mesmo assim, o Brasil fez vista grossa e continua, apesar de meses de atraso, a se acumpliciar com esta farsa criminosa.

Em 15 de janeiro de 2010, o informativo argentino “Urgente24” trazia uma matéria intitulada: “Falsa pandemia: a União Européia investigará as farmacêuticas e a OMS por enganar a população”. Segue abaixo o texto traduzido, que prefiro reproduzi-lo na íntegra dada a sua gravidade:

“O Conselho dos Estados membros da Europa colocou em marcha uma investigação em fevereiro de 2010 sobre a influência das empresas farmacêuticas na campanha mundial da gripe Porcina, centrando-se especialmente no grau de influência da indústria farmacêutica sobre a OMS (Organização Mundial da Saúde).

A Comissão de Saúde do parlamento da União Européia aprovou por unanimidade uma Resolução instando tal investigação. O passo é um movimento de longo prazo com o objetivo de conseguir transparência pública do ‘Triangulo Dourado’ de corrupção da OMS, da Indústria Farmacêutica e dos cientistas acadêmicos que geraram danos à vida de milhões de pessoas.

O Parlamento Europeu ficará encarregado de investigar a OMS e o porquê do escândalo da ‘pandemia’.
A moção parlamentar foi apresentada pelo Dr. Wolfgang Wodarg (na foto), ex-deputado do SPD no Bundestag (Parlamento alemão) e agora presidente da Comissão de Saúde do Parlamento Europeu.

Wodarg é um doutor em medicina e epidemiologista, especialista em enfermidades pulmonares e em medicina ambiental. Ele considerou que a campanha da OMS contra a ‘pandemia’ da gripe porcina foi ‘um dos maiores escândalos médicos do século’. O texto da resolução, que foi respaldado pelas Nações Unidas e um suficiente número de membros do Conselho do Parlamento Europeu, diz entre outras coisas:

‘A fim de promover seus medicamentos patenteados e suas vacinas contra a gripe, as empresas farmacêuticas fizeram uso de sua influência sobre os cientistas e sobre os organismos oficiais, responsáveis por estabelecer as normas de saúde pública, para alarmar os governos de todo o mundo e fazê-los gastar mal os recursos sanitários em ineficientes estratégias de vacinação e expor desnecessariamente milhões de pessoas saudáveis ao risco de uma desconhecida quantidade de efeitos secundários das vacinas que foram insuficientemente provadas. A campanha da gripe aviária (2005-2006), combinada com a campanha da ‘gripe porcina’, parece ter carregado um alto nível de danos não só em alguns pacientes vacinados e aos orçamentos públicos sanitários, mas também à credibilidade e à prestação de contas de importantes organismos internacionais da saúde’.

A investigação parlamentar examinará a questão da ‘falsa pandemia’ porque foi declarada pela OMS em junho de 2009 assessorada por seu grupo de experts acadêmicos, SAGE, muitos dos quais provou-se que têm fortes vínculos financeiros com os próprios gigantes farmacêuticos como Glaxo, SmithKline, Roche, Novartis, que se beneficiaram com a produção de fármacos e das não testadas vacinas contra a gripe H1N1. Também se investigará a influência da indústria farmacêutica na criação de uma campanha mundial contra as denominadas gripes aviária e H5N1 da gripe porcina H1N1. Será dado um caráter de urgência e prioridade à investigação na assembléia geral do Parlamento.

Wodarg diz que o papel da OMS e sua declaração de emergência pandêmica em junho de 2009, devem ser o primeiro objetivo da investigação do Parlamento Europeu. Os critérios da OMS para a declaração de uma pandemia foram modificados pela primeira vez em abril de 2009, requeridos simultaneamente com a notificação dos primeiros casos de gripe porcina no México, sem sinalizar para o risco real de uma enfermidade, senão que modificou-se o número de casos para a declaração de uma pandemia. Ao classificar a gripe porcina como uma pandemia, os países viram-se obrigados à aplicação de planos de pandemia e à compra de vacinas contra a enfermidade, mesmo quando ainda não era necessário.

Como a OMS não se acha submetida a controle parlamentar algum, Wodarg argumenta que é necessário que os governos exijam uma prestação de contas. A investigação examinará também o papel dos organismos públicos alemães encarregados de emitir diretrizes sobre a pandemia: o Paul-Ehrlich e o Instituo Robert-Koch”.

Bem, como vocês puderam atestar, trata-se da mais aberrante empulhação criminosa, o que está custando vidas com lesões neurológicas permanentes, além de óbitos desnecessários pois, como diz na própria resolução, vacinou-se pessoas saudáveis para fazê-las adoecer.

Mas NADA disto foi noticiado no Brasil pelos jornalões e muito menos pelo Ministério da Saúde, que estabeleceu uma tabela de vacinação e já começou esta prática criminosa. Deus permita que não tenham inoculado o vírus letal em muitas pessoas. Eu tenho esta informação desde janeiro deste ano mas, conforme disse acima, como este não é o tema abordado pelo Notalatina li com preocupação e arquivei; por isso agradeço ao amigo que me “cutucou” sobre o assunto, pois senão nem eu mesma ia lembrar. Como agora o insensato e comunista governo brasileiro resolveu dar sua contribuição à patifaria criminosa, não posso me calar, sob pena de estar cometendo crime por omissão. Espero que vocês, leitores deste blog, divulguem a quantas pessoas puderem alertando-as a não se submeterem a este crime de lesa-humanidade como cordeiros que seguem calados ao abatedouro sem berrar. Fiquem com Deus e até a próxima!

Comentários e tradução: G. Salgueiro

fonte: midia sem máscara

fonte: fimdostempos.net

sábado, 20 de março de 2010

OS LIVROS PROIBIDOS PELA SANTA SÉ

INDEX DOS LIVROS PROIBIDOS
O Index Librorum Prohibitorum ou Index Expurgatorius é uma lista das publicações que a igreja católica condena, geralmente por serem de conteúdos contraditórios a história e aos dogmas da igreja. O propósito dessa lista é evitar a leitura de seus fieis e a corrupção dos mesmos.

Criado em 1559 pela Sagrada Congregação da Inquisição da Igreja Católica Romana (posteriormente conhecida como a Congregação para a Doutrina da Fé), o “Index” continha nomes de autores cujas obras estavam proibidas em sua totalidade.

A lista incluiu autores literários como Rabelais (obra completa) ou La Fontaine (contes et nouvelles), pensadores como Descartes e Montesquieu e científicos como Conrad Gessner e Copérnico. Este ultimo entrou na lista como consequência do processo de Inquisição contra Galileu, por um decreto da Congregação Geral, que obrigava expurgar certas passagens imcompatíveis com a fé, que confirmavam que a terra não era o centro do sistema solar e sim o sol (teoria heliocêntrica). Johannes Kleper também foi incluído na lista por defender o heliocentrismo.

A 32° edição do Index publicada em 1948, continha aproximadamente 4.000 títulos censurados por diversas razões; heresia, deficiência moral, sexo explícito, entre outras. Incluia também, junto a uma parte da lista hitórica, boa parte dos novelistas do século XIX, como Zola, Balzac e Victor Hugo. Entre os pensadores se encontram Michel de Montaigne, Descartes, Pascal, Montesquieu, Spinoza, David Hume, Kant, Beccaria, Berkeley, Condorcet e Bentham.

Autores notáveis como Schopenhauer, Marx e Nietzsche, devido as seus ateísmos e hotilidades a igreja católica eram nomes certos a cada edição da lista.

Como lista oficial e a excomunhão que implicava sua leitura, foi abandonada em 1966 com o fim do Segundo Concílio do Vaticano sob o papado de Paulo VI. Porém muitos líderes católicos ainda condenam a leitura desses livros como pecados gravíssimos.

Em 2003 o assunto vem a tona novamente com a publicação do livro O Código Da Vinci, do escritor americano Dan Brown. O livro causou polêmica ao colocar em dúvida a divindade de Jesus Cristo, O livro tem recebido críticas de religiosos, argumentando que Brown distorceu os fatos históricos.

O modo como a trama de Dan Brown trata a Igreja Católica, tem eliciado muitas críticas. O livro tem tido muitas vezes uma resposta negativa entre grupos cristãos.

E em 2005 o Vaticano incluiu o Código Da Vinci na lista dos livros proibidos pela igreja, mesmo esta não sendo mais oficialmente publicada. E apesar de todo o esforço e oposição da Igreja, a obra de Dan Brown tornou-se um best-seller com mais de 70 milhões de cópias vendidas em todo o mundo.

Alguns autores que tiveram suas obras inclusas no Index:
* Friedrich Nietzsche
* Joseph Addison
* Francis Bacon
* Simone de Beauvoir
* Cesare Beccaria
* Jeremy Bentham
* Henri Bergson
* George Berkeley
* Thomas Browne
* Giordano Bruno
* John Calvin
* Auguste Comte
* Nicolaus Copernicus
* Jean le Rond d’Alembert
* Erasmus Darwin
* Daniel Defoe
* Alexandre Dumas
* Alexandre Dumas filho
* Desiderius Erasmus
* Johannes Scotus Eriugena
* Frederick II of Prussia
* Galileo Galilei
* Edward Gibbon
* Vincenzo Gioberti
* Graham Greene
* Heinrich Heine
* Thomas Hobbes
* David Hume
* Cornelius Jansen
* Adam F. Kollár
* Nikos Kazantzakis
* Johannes Kepler
* Hughes Felicité Robert de Lamennais
* John Locke
* Martin Luther
* Niccolò Machiavelli
* Maimonides
* Nicolas Malebranche
* Jules Michelet
* John Stuart Mill
* John Milton
* Ernest Renan
* George Sand
* Jonathan Swift
* Miguel de Unamuno
* Maria Valtorta
* Theodoor Hendrik van de Velde
* Gerard Walschap
* Huldrych Zwingli

sexta-feira, 19 de março de 2010

VACINA DA GRIPE SUINA: REDE GLOBO DIZ QUE É SEGURA, VOCÊ ACREDITOU?

 É a palavra da globo contra a palavra do chefe da Agência de Saúde Européia, Sir Wolfgang Wodarg

Desligue o player da radio do blog e assista ao vídeo abaixo

quinta-feira, 18 de março de 2010

H1N1 A FALSA PANDEMIA

A Falsa Pandemia: empresas farmacêuticas lucraram com o pânico da gripe suína, afirma o chefe da Agência de Saúde Européia, Sir Wolfgang Wodarg

O surto de gripe suína era uma “falsa pandemia” movida por empresas de medicamentos que fizeram bilhões de libras através do pânico em todo o mundo, alegou um importante especialista europeu em saúde.

Wolfgang Wodarg, chefe de saúde do Conselho da Europa, acusou os fabricantes de medicamentos e vacinas da gripe de influenciar a decisão da Organização Mundial de Saúde de declarar uma pandemia.

Isto levou a que as empresas farmacêuticas assegurassem “enormes lucros”, enquanto os países, incluindo o Reino Unido, “desperdiçaram” seus parcos orçamentos da saúde com milhões que estão sendo vacinados contra uma doença relativamente branda.

A resolução proposta pelo Dr. Wodarg pedindo uma investigação sobre o papel das empresas de droga foi aprovada pelo Conselho da Europa, o “senado” baseado em Estrasburgo que é responsável pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Um debate de urgência sobre a questão será realizado ainda este mês.

As afirmações do Dr. Wodarg emergem no mesmo momento em que o governo britânico está tentando desesperadamente se livrar de 1 bilhão de libras em vacina da gripe suína, encomendadas na época do pânico.

O Departamento de Saúde britânico alertou que poderia haver até 65.000 mortes por causa da gripe suína, criou uma linha telefônica e site especial para aconselhamento, suspendeu as regras normais para drogas anti-gripe para que pudessem ser dadas sem receita médica e aconselhou às autoridades locais para se prepararem para uma pandemia grave.

Planejadores foram orientados a prepararem os necrotérios para uma grande número de mortes e houve alertas de que o Exército poderia ser chamado para evitar tumultos enquanto a população lutasse para obter drogas.

Mas com menos de 5.000 pessoas na Inglaterra contraindo a doença até a semana passada e apenas 251 mortes no total, Dr. Wodarg definiu o surto do H1N1 como “um dos maiores escândalos médicos do século”.

Ele afirmou: “O que tivemos foi uma gripe leve – e uma falsa pandemia.”

Ele acrescentou que as sementes do pânico foram semeadas cinco anos atrás, quando se temia que o vírus mais letal da gripe aviária poderia se transformar em uma forma humana.

O “clima de pânico” levou os governos a estocar o remédio anti-gripe Tamiflu e criando “contratos adormecido” para milhões de doses de vacina.

Dr Wodarg afirmou: “Os governos fecharam contratos com produtores de vacinas onde assegurariam as encomendas com antecedência e tomariam para si quase toda a responsabilidade.

“Desta forma, os produtores de vacinas teriam a certeza de enormes lucros sem qualquer risco financeiro.

‘Então, eles só esperariam até que a OMS declarasse a “pandemia” e ativassem os contratos. ”

Ele também afirma que para continuar a avançar os seus interesses, as principais fabricantes de medicamentos colocaram ’seu pessoal’ nas “engrenagens” da OMS e outras organizações influentes.

Ele acrescentou que sua influência poderia ter conduzido a OMS a suavizar a sua definição de pandemia – levando à declaração de um surto mundial em junho passado.

Dr Wodarg disse: “A fim de promover os seus medicamentos patenteados e de vacinas contra a gripe, as empresas farmacêuticas influenciaram os cientistas e os órgãos oficiais, responsáveis pelas normas de saúde pública, para alardear os governos pelo mundo inteiro.

“Eles nos fizeram esbanjar parcos recursos de saúde para estratégias de vacina ineficientes e que milhões de pessoas saudáveis fossem expostas desnecessariamente ao risco dos efeitos colaterais desconhecidos de vacinas insuficientemente testadas.

Ele não dá os nomes de ingleses com os conflitos de interesse.

Mas no ano passado, o Daily Mail revelou que Sir Roy Anderson, um cientista que aconselha o Governo sobre a gripe suína, também possui um salário de 116.000 libras por ano no conselho da GlaxoSmithKline (GSK).

A GSK produz drogas e vacinas anti-gripe e deve ser uma das maiores beneficiárias da pandemia.

O Departamento de Saúde britânico afirmou que embora a doença pareça estar em declínio, não descarta uma terceira onda, e insiste que todos as pessoas que podem receber a vacina que o façam.

P professor David Salisbury, chefe de imunização do governo britânico, disse que não havia “nenhuma razão” para as alegações do Dr Wodarg, dizendo que as pessoas com conflitos de interesse foram mantidos fora do processo decisório.

Um porta-voz da GSK declarou: “Alegações de influência indevida são equivocadas e infundadas. A OMS declarou que o vírus H1N1 preenchiam os critérios para uma pandemia. Como a OMS afirmou, regulamentos legais e inúmeras salvaguardas existem para evitar eventuais conflitos de interesse. ”

A empresa, que ainda emprega Sir Roy, disse que ele tinha declarado os seus interesses comerciais e não tinha qualquer participação em reuniões relacionadas com a compra de drogas ou vacina para o Governo ou GSK.

Fontes:
Daily Mail: The ‘false’ pandemic: Drug firms cashed in on scare over swine flu, claims Euro health chief

INACREDITÁVEL, LABORATÓRIOS QUE PRODUZEM A VACINA CONTRA A GRIPE SUINA H1N1 TEM IMUNIDADE JURÍDICA, ISTO É, ELES NÃO PODERÃO SER RESPONSABILIZADOS SOBRE QUALQUER EFEITO ADVERSO QUE A TAL VACINA VENHA A PROVOCAR NA POPULAÇÃO.

Realmente é inacreditável que o grande fabricante farmacêutico Baxter já tenha requerido a patente para a vacina H1N1, um ano antes que o primeiro caso do suposto H1N1 tivesse sido relatado:

Baxter Vaccine Patent Application (requerimento de patente para vacina) US 2009/0060950 A1. No requerimento lê-se: “… a composição ou agente ativo contém mais do que um antígeno … como Influenza A ou Influenza B, principalemnte escolhidas de um ou mais sub-tipos de gripe humana H1N1, H2N2, H3N2, H5N1, H7N7, H1N2, H9N2, H7N2, H7N3, H10N7, dos sub-tipos de gripe suína H1N1, H1N2, H3N1 e H3N2 assim como sub-tipos de gripe canina e eqüina H7N7, H3H8 ou de sub-tipos de gripe aviária H5N1, H7N2, H1N7, H7N3, H13N6, H5N9, H11N6, H3N8, H9N2, H5N2, H4N8, H10N7, H2N2, H8N4, H14N5, H6N5, H12N5.”

E mais além lê-se no requerimento: “Como adjuvantes adequados são considerados géis minerais, hidróxido de alumínio, substâncias tensoativas, lisolecitinas, Pluronic-Polyole, poliânions ou emulsões oleosas como água em óleo ou óleo em água ou uma combinação disto.

A escolha dos adjuvantes depende naturalmente da aplicação planejada. Desta forma, por exemplo, a toxidade depende do organismo alvo e pode variar de não-tóxico até altamente tóxico”. Depende do organismo de quem está tomando a vacina, uma verdadeira roleta russa.

Não existe qualquer dispositivo legal – poderia ser que Baxter esteja se preparando para vender muitas centenas de milhões de doses da vacina que contêm o altamente tóxico hidróxido de alumínio como adjuvante? Talvez fosse a hora de exigir que todas as lideranças da OMS, da SAGE e do CDC, do governo Obama, os membros do gabinete e do congresso norte-americano, que liberaram sete bilhões de verba para o H1N1, e consentiram que a indústria farmacêutica recebesse imunidade perante as posteriores indenizações que seus produtos viessem a causar, se colocassem eles próprios à disposição como cobaias para a nova vacina. Assim pode se observar os resultados. O mesmo deveria valer para outros órgãos públicos ou instituições que exigem que os cidadãos sejam vacinados com a vacina H1N1 da GlaxoSmithKline ou Baxter, eles devem atentar que a vacina seja realmente segura.

A OMS não registrará mais os casos do H1N1

Um outro sinal de que todo mundo está fazendo papel de idiota neste cenário de gripe suína da OMS, se mostra na mais nova decisão da OMS – desta instituição atuante internacionalmente, que justamente deveria ser responsável em vigiar este princípio das chamadas pandemias ou somente epidemias pelo mundo afora –, de não seguir mais o desenvolvimento da gripe suína (ou do H1N1 Influenza A, como hoje se prefere chamar para não atrapalhar o Smithfield Foods ou outros produtores industriais de Porcos - CAFO).

Em um informativo publicado em sua página na Rede, encontra-se o espantoso anúncio que os casos de H1N1 não serão mais registrados. A última contagem da OMS, de 6 de julho, resultou em 96.512 casos confirmados em 122 países, dos quais 429 mortes.

Aparentemente a OMS quer dizer com através deste novo passo, que o número de casos confirmados em laboratório é irrelevante.


quarta-feira, 17 de março de 2010

SERÁ QUE LULA É ANTI SEMITA?

Abbas (esq.) e Lula passam em revista guarda de honra em Belém


Em Belém, ao lado do primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina, Salam Fayyad, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva classificou nesta terça-feira de cruel "o bloqueio que vem sofrendo o povo palestino" e fez duras críticas à barreira construída por Israel na Cisjordânia.

"Sabemos qual é o primeiro desafio nessa caminhada. Vencer o cruel bloqueio que vem sofrendo o povo palestino. O muro de separação cobra um alto preço em termos de sofrimento humano e prejuízo material, sobretudo na Faixa de Gaza", disse.

Reuters

"A asfixia imposta à Cisjordânia e a Gaza impede que a Palestina se beneficie dos fluxos de comércio internacional", disse Lula, prometendo ajudar na busca de uma solução que permita a criação de um Estado palestino.

A barreira que corta a Cisjordânia é formada por muros e cercas, já tem mais de 400 km de extensão e anexa parte da Cisjordânia a Israel. O hotel onde Lula está hospedado e onde fez o discurso fica a cerca de 100 metros de uma parte do muro.

Influência do Brasil

Ao comentar como o Brasil aumentou sua influência geopolítica, Lula disse que "isso parecia impossível" quando assumiu o poder.

"Ao longo de séculos, as nossas autoridades gostavam de ser submissas às chamadas economias ricas. A palavra correta é submissa, é de não lutar pela sua soberania, de não respeitar a si próprio, de não fazer valer as coisas que eram do Brasil. Nós sabíamos que a única maneira de conseguirmos isso era acreditar em nós mesmos", disse Lula.

Comentando a iniciativa inédita entre presidentes brasileiros de visitar a região, Lula, que diversas vezes se referiu aos territórios palestinos como Palestina ou Estado palestino, disse que esse é apenas o primeiro passo nessa aproximação.

"Nós estamos dando esse primeiro passo no estabelecimento de uma política entre o Estado brasileiro e o Estado palestino, uma política comercial mais sólida, mais forte e mais desenvolvida", disse Lula.

O presidente voltou a mencionar que a resolução do conflito entre israelenses e palestinos torna necessários mais interlocutores e prometeu levar a questão à comunidade internacional.

"Agora, o Brasil participa do G20, do G90, do G70, do G20 comercial, do G14, do G13, do G8, do G5, do G4, ou seja, nós agora temos uma gama extraordinária de fóruns onde estão presentes vários países que têm muito a ver com a solução do conflito", afirmou Lula.

"Não é possível a gente ficar numa década feliz porque caiu o muro de Berlim e, na outra década, ficar triste porque está se erguendo um muro dividindo o Estado de Israel e o Estado Palestino."

"O Brasil sempre esteve interessado, mas nunca esteve tão interessado como está agora em encontrar uma solução", disse o presidente, arrancando aplausos da plateia.

O primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina, Salam Fayyad, convidou empresários a investir na região, mencionando que criarão uma zona industrial no norte do território para atrair investimentos estrangeiros. "Não há investimento sem risco", disse Fayyad.

Em seu discurso, Lula mencionou ainda que "as necessidades de investimento na Palestina são na mesma escala dos desafios de reconstruir um país. Estamos prontos a apoiar as iniciativas do Plano Fayyad para identificar produtos com potencial exportador", prometeu.

COMENTÁRIO: ''Em sua desastrosa visita à Israel, Lula deixou de visitar o túmulo do idealizador do Estado de Israel, mas foi visitar o túmulo de Arafat que morreu lutando contra o Estado judeu, o que foi considerado ofensa pela chancelaria israelense.''



Parece que o Lula desconhece os milenares problemas da região, aquilo é um barril de pólvora desde que Deus determinou a Israel que ocupasse a área a milenios, talvez o Lula devesse convocar o Criador do mundo no G9, G12, G1000 e por aí afora para se explicar sobre os fatos históricos e bíblicos.



Um trecho bíblico de presente para o presidente Lula sobre Israel: ''Aquele que toca em vós, toca na menina dos meus olhos''

segunda-feira, 15 de março de 2010

ATAQUES CONTRA CRISTÃOS NO MUNDO ISLAMICO CAUSA PREOCUPAÇÃO

As sete Igrejas da Ásia (Turquia) não existem mais, a população cristã na Turquia é de 1%

Em Israel nos lugares dominados por maioria muçulmana a população cristã está sendo arrasada, ou converte-se ao islamismo ou nem emprego se consegue, é a chamada conversão compulsória que foi largamente usada na idade média por católicos e muçulmanos, um querendo converter o outro na marra à sua religião, um em nome do Papa e outro em nome de Alá. Isto que estamos vendo é amostra grátis, o Anti-Cristo é o Mahdi (o prometido) muçulmano. É só aguardar que lá vem chumbo e do grosso. 
TURQUIA

Na última quarta-feira, um bando de cerca de dez atiradores irrompeu no meio da manhã nos escritórios da ONG cristã de ajuda humanitária World Vision em Mansehra, um distrito ao norte de Islamabad, e abriu fogo contra os funcionários que estavam ali. Seis deles morreram, outros sete ficaram feridos.

O acontecimento é o episódio mais recente de uma série de atos de violência e perseguição contra cristãos que começaram há alguns meses com uma frequência inquietante em vários lugares do mundo.

No fim de semana passado, o governo marroquino expulsou 26 cristãos do país, a maioria evangélicos, acusados de proselitismo. Ao mesmo tempo, na Nigéria, centenas de cristãos morreram a golpes de pistola e facadas pelas mãos de muçulmanos na explosão mais recente da violência étnico-religiosa crônica que afeta o centro do país africano. Na região de Mosul, no Iraque, pelo menos oito cristãos foram assassinados em diferentes ataques em fevereiro. E quase não restam famílias cristãs em Mosul: todas fugiram. No Egito, oito cristãos coptos morreram a tiros ao sair da missa num domingo de janeiro. Fora do mundo muçulmano, na Índia, também acontecem episódios de violência contra os cristãos. A lista poderia continuar.

Cada uma dessas histórias tem uma motivação específica, com frequência local. O caso nigeriano é particularmente diferente, porque a violência entre grupos é recíproca. Mas em todos os demais há um denominador comum: indícios perturbadores de uma crescente intolerância e, em alguns casos, perseguição. As coisas parecem estar piorando. É o que acredita Angela Wu, diretora internacional do departamento legal do Fundo Becket para a Liberdade Religiosa, com sede em Washington, que defende seguidores de todas as religiões.

“Embora tenha surgido no Oriente Próximo, o cristianismo é visto como um influência estrangeira, ocidental, em muitos lugares do mundo. Isso se deve, em parte, ao legado do colonialismo. Mas agora, a situação foi exacerbada pelas guerra do Iraque e Afeganistão e pelo episódio das caricaturas de Maomé publicadas na Dinamarca. Esta retórica afeta cada vez mais as minorias cristãs”, comentou Wu, numa conversa por telefone desde os EUA.

Em alguns casos, a perseguição é governamental, em outros, a violência é exercida pelos vizinhos. Com frequência, esses dois fatores estão relacionados. Wu destaca que em muitos casos a aplicação cada vez mais rígida de leis contra a blasfêmia e a falta de proteção às minorias acaba desencadeando uma espiral perversa.

“O principal problema com as leis de blasfêmia não é só a sua aplicação por parte dos Estados, mas sim o clima social que elas criam, no qual até mesmo um discurso pacífico é percebido como ilegal. Com frequência, são as pequenas disputas locais que motivam os ataques, mas a blasfêmia se transforma numa desculpa fácil, os rumores se propagam, e a violência irrompe. A impunidade em relação a esses crimes faz o resto”, observa Wu.

No Ocidente, onde o cristianismo e suas instituições são vistos com frequência como parte integrante do sistema de poder, a ideia de minorias cristãs perseguidas pode parecer surpreendente e distante, associada a tempos passados. Entretanto, dos mais de 2 bilhões de fieis que vários estudos atribuem ao cristianismo, pelo menos várias dezenas de milhões – numa estimativa prudente – vivem em situação de opressão ou com severas limitações.

Um recente estudo da ONG cristã Open Doors situava o número ao redor de 100 milhões, a maior parte em países de maioria islâmica. A ONG, entretanto, atribuiu a posição de país mais hostil ao cristianismo à Coreia do Norte, onde acredita-se que milhares de cristãos estejam presos em campos de trabalho forçado.

O sofrimento de muitos cristãos é apenas mais uma faceta da perseguição a que as minorias religiosas em geral são submetidas em muitos países. Um recente estudo do Pew Forum sobre religião e vida pública afirmou que 70% dos 6,8 bilhões de habitantes da terra vivem em países com “restrições notáveis” à liberdade religiosa. Casos de discriminação, e até de perseguição, não faltam até mesmo nos países nos quais as liberdades civis estão mais arraigadas.

Andrea Rizzi
do El País
Diretor geral Pr. José Vieira Rocha
O ALVO É O BRASIL

Pr. Eli Fernandes de Oliveira

Estive, dias atrás, na Turquia, acompanhado do Pr Walmir Vargas, Ministro de Educação Cristã da LIBER. Em Istambul, unimo-nos a uma caravana de 45 membros da Igreja Palavra Viva, liderada por seu pastor e meu querido amigo, Lamartine Posella, conhecido líder evangélico no Brasil. Visitamos as cidades das sete igrejas do Apocalipse, depois do que voltamos para o Brasil em vôo da Turkiesh Airlines, Istambul/São Paulo, com escala em Dakar, capital do Senegal. Assentou-se ao meu lado um jovem universitário senegalês, muçulmano, El Hadí, com 26 anos, muito educado. Orei ao Senhor e, percebendo que ele falava também inglês, abordei-o acerca de Jesus. El Hadí ouviu-me atentamente, também formulou algumas perguntas interessantes, e até aceitou orar comigo, erguendo suas mãos como eu, repetindo as palavras à medida em que eu orava. Pedi que Jesus Cristo entrasse no seu coração e o ajudasse em sua compreensão espiritual. Qual não foi minha surpresa quando um homem barbudo, de sorriso estranho, maldoso, com veste e turbante brancos, veio à nossa poltrona, dizendo que ouvira nossa conversa. Dirigindo-se ao jovem senegalês, perguntou-lhe: "Por que você, muçulmano, está ouvindo as palavras desse cristão que o quer converter? Você é quem deveria lhe falar de Maomé". Aquele lugar foi tomado de uma forte opressão. A cada palavra que eu ministrava sobre Jesus, o único Senhor e Salvador, aquele homem desprezava-O, ressaltando o nome de Maomé, sempre em tom arrogante e agressivo. Quando lhe perguntei se desceria no Senegal, disse-me que estava indo para São Paulo. Ainda falou-me o que aconteceria no bairro de Santo Amaro: um encontro de líderes muçulmanos, para planejar a conversão da América do Sul para o islamismo.

"O Brasil será de Maomé em breve, a Europa também logo será muçulmana". "O cristianismo está para se acabar e o mundo será islâmico". E repetiu: "Maomé é o Profeta de Deus! Noé, Abraão, Moisés e Jesus foram profetas, mas Maomé é o maior, o último e o mais importante".