sábado, 4 de dezembro de 2010

SECA NO AMAZONAS REVELA GRAVURAS DE 5 A 7 MIL ANOS DE IDADE

PUBLICIDADE KÁTIA BRASIL DE MANAUS

A seca recorde na bacia central do Amazonas permitiu a descoberta de gravuras rupestres de rostos, feitas em baixo relevo, em rochas que estavam submersas.
Rio Negro em Manaus (Aliás a população poderia aproveitar a seca para limpar a sujeira que eles fizeram no leito do rio)

O conjunto de rochas fica na margem esquerda do encontro das águas dos rios Negro e Solimões, em Manaus.
Arqueólogos e geólogos dizem que as gravuras podem ter sido feitas há 5.000 anos por populações indígenas que habitavam a região.
Mais desenhos no leito do rio Negro

Seis pescadores descobriram as gravuras em 25 de outubro, segundo o engenheiro florestal Akira Tanaka, subgerente do Cepeam (Centro de Projetos e Estudos Ambientais do Amazonas).
Navios encalhados no leito seco do Rio Negro

Editoria de Arte/Folhapress

Um dia antes, o Negro havia atingido o nível de 13,63 m, o mais baixo desde 1902.

"São mais de dez carinhas desenhadas nas pedras", disse o engenheiro, que fotografou as gravuras.
Barco encalhado no lago Caapiranga

Leito do Rio Negro

Eduardo Góes Neves, arqueólogo da USP que desde os anos 1990 faz pesquisas na Amazônia, analisou as fotos. "Não sabemos o significado das "caretas". Mas suspeitamos que tenham sido feitas numa época em que chovia menos na Amazônia", disse Neves.
Já existe um sítio arqueológico na área. Em 2001, Neves retirou de lá uma urna funerária de 1.200 anos -até então, o artefato mais antigo no encontro das águas.

A comprovação de que as gravuras são mais antigas do que a urna funerária atestaria que existiu uma ocupação contínua naquela região.
De acordo com Neves, gravuras de "caretas" também foram achadas em rochas que ficam submersas nas margens dos rios Urubu (AM) e Trombetas (PA), mas os desenhos têm padrão diferente dos encontrados em Manaus.

O arqueólogo defende que seja feito um estudo subaquático sobre as obras. Mas é bom lembrar também que as chuvas na Amazonia são geradas de forma diferente por exemplo da região sul, onde as precipitações pluviometricas se dão em razão das entradas das frentes frias do polo sul, no Amazonas é diferente, a floresta tem o seu próprio jeito de ser, e as queimadas e o desmatamento estão destruindo o eco sistema da região. É bom acordar senão no futuro teremos um grande deserto na região norte do Brasil

MINHA TESE SOBRE AS GRAVURAS:

Essa apresenta algumas particularidades: Pegue a Lupa e observe:
  1. Ela apresenta a inscrição ADS abaixo do olho à esquerda.
  2. Ela apresenta a inscrição CCU abaixo da boca no queixo da caretinha.
  3. Acima da inscrição ADS existem algumas piramides como se fosse um mapa direcional.
  4. Na parte de cima do olho à direita existem mais inscrições apagadas pelo tempo.
Vejam as coincidências:
ADS siginifica: ASTROPHYSICAL DATA SYSTEM
CCU siginifica: Calibration Channel Unit
Piramides na Amazonia?

Piramides?

Dizem que essas aí tem um povo loiro que guardas algumas entradas para o subsolo, será?

Creio que trata-se de alguma mensagem deixada para o nosso tempo. Muitos dirão que a NASA não existia a 7000 anos, tudo bem, mas existem coisas na terra que não dão para explicar, um exemplo é o calendário Maia. Viagem no tempo? Talvéz! Mas lembrem-se, alguns dizem que isto é impossível, mas, diziam também no passado que voar era uma impossibilidade científica.
''Essa pesquisa fez uso de astrofisica da NASA DATA SYSTEM''
(Astrofísica de Alta Energia)

Nenhum comentário:

Postar um comentário