quinta-feira, 25 de março de 2010

H1N1 - MINISTRA DA SAÚDE FRANCESA É DURAMENTE INTERROGADA SOBRE A FRAUDE DA PANDEMIA

Ministra da saúde francesa duramente interrogada sobre os conflitos de interesse na vacinação contra o H1N1


A ministra da saúde francesa, Roselyne Bachelot, foi submetida ontem a um severo interrogatório, que foi muito pior do que o esperado, na câmara parlamentar do senado da França, sobre o papel desempenhado nas empresas farmacêuticas do país na campanha de vacinação em massa contra a gripe suína.

Presidida por François Autain e Alain Milon, a comissão do Senado interrogou Bachelot por duas horas e meia sobre os potenciais conflitos de interesse, perguntando por que o governo comprou 94 milhões de doses de vacinas contra a gripe suína, por que os contratos tinham sido colocadas sob sigilo, se especialistas do governo foram realmente imparciais, e por que os médicos de família tinha sido excluído da campanha de vacinação em massa, relatou o jornal Le Monde.

Verificou-se durante o inquérito que a Novartis aceitou uma indenização de 16% para o excedente de vacina contra a gripe suína.

O governo, no entanto, não conseguiu chegar a um acordo com a GlaxoSmithKline ou a Sanofi, Batchelot revelou.

POPULAÇÃO DA FRANÇA NÃO QUIS TOMAR A TAL VACINA CONTRA A GRIPE DOS PORCOS  REBATIZADA DE GRIPE ''A'' H1N1

Apenas cerca de 7 milhões de pessoas na França aceitaram a insuficientemente testada vacina da gripe suína para a qual as empresas farmacêuticas foram dadas imunidade – deixando o governo com um estoque de quase 90 milhões de doses.

Fontes:
Le Monde: oselyne Bachelot rejette les critiques sur sa gestion de la grippe A

Nenhum comentário:

Postar um comentário