sábado, 27 de junho de 2009

A APARIÇÃO DA ARCA DA ALIANÇA E A CONSTRUÇÃO DO TEMPLO DO ANTICRISTO


Como afirmamos muitas vezes antes, o grande motivo secular pelo qual os Illuminati não podem permitir que Israel seja derrotado e aniquilado pelos árabes é que suas lendas maçônicas estão fortemente enraizadas nas histórias do Antigo Testamento, a mais importante das quais é a reconstrução do Templo de Salomão , "O Desejo Ardente de Reconstruir o Templo em Jerusalém é o Ímpeto Propulsor Que Está Por Trás dos Eventos no Oriente Médio").
Como foi detalhado, o plano dos líderes iluministas é tomar o controle do Monte do Templo dos árabes, apresentar a Arca da Aliança — um ato que irá abalar as pessoas espiritualmente — e então construir o novo templo para o Cristo maçônico. Esse é o plano hoje, e está gradualmente sendo executado no cenário mundial.
Lembre-se, esse plano de reconstruir o templo de Salomão gira em torno de colocar o Cristo maçônico em cena; quando completado, ele cumprirá a profecia bíblica de 2.500 anos atrás! Essa noticia é muito emocionante, pois um estudo completo de como os eventos e os líderes mundiais atuais estão lentamente direcionando os eventos para produzir esse "Cristo" das sociedades secretas, prova que o poder do Espírito Santo é irresistível, pois Ele já forçou esses homens ímpios a criarem um plano que corra em paralelo com a profecia bíblica. Para o cristão que reflete, está alerta e tem discernimento, estes são tempos emocionantes de se viver, pois os eventos estão confirmando a veracidade de Jesus Cristo e da Bíblia Sagrada; da mesma forma, os eventos de hoje estão provando que todos os outros deuses e deusas, e suas religiões, são falsos e sem poder.
Enquanto o mundo se prepara para a aparição do Cristo maçônico e a construção do seu templo da Tribulação, a Arca da Aliança é absolutamente essencial. O novo templo simplesmente não pode ser construído sem essa arca. Para ver como isso é verdade, vamos dedicar algum tempo ao estudo da verdadeira Arca da Aliança.
A Arca da Aliança Original
"Em Êxodo 25:10 e versos seguintes, Moisés recebe a ordem de construir uma arca de madeira de acácia. Dentro dessa arca deveriam ser colocadas as tábuas com as leis que Deus estava prestes a dar a Moisés. No topo da arca, não como uma tampa, mas acima da tampa, o hebreu [kapporeth], no Novo Testamento Grego [to hilasterion] (Hebreus 9:5), deveria ser colocado, que era um prato dourado, com dois querubins, com asas erguidas e olhando um ao outro, cobrindo a arca. Do lugar entre os dois querubins Deus promete falar com Moisés, sempre que tiver ordens a dar para os israelitas." [International Standard Bible Encyclopedia].
"... não era tanto o tabernáculo que servia de consolo ao povo, algo que eles precisavam naquela época, mas sim a arca, que simbolizava que Deus estava marchando com eles... De acordo com a narrativa de Josué 3, a arca cooperou na travessia do Jordão de tal forma que as águas do rio pararam seu fluxo no momento em que os pés dos sacerdotes que a carregavam tocaram as águas, e que elas permaneceram paradas até que esses sacerdotes, após o povo ter atravessado, saíram então do leito do rio com a arca. No relato da marcha solene em torno de Jericó, que de acordo com Josué 6 fez com que as muralhas da cidade caíssem, o transporte da arca ao redor da cidade é tido como um aspecto importante em Josué 6:4,7,11. No capítulo 7 existe a narrativa que Josué, após a derrota do exército diante de Ai, lamentou e orou diante da arca. No capitulo 8 isso é mencionado em conexão com o Monte Ebal." [International Standard Bible Encyclopedia].
"Que a arca foi projetada para ser um símbolo da presença de Deus no meio do Seu povo é ensinamento comum no Antigo Testamento... quando a arca foi considerada uma representação visível de Yahweh, e garantidora de Sua presença, acreditava-se que existia uma conexão material próxima entre a arca e Yahweh, em virtude do qual acreditava-se que poderes espirituais também estivessem presentes na arca... As palavras nessas tábuas eram um tipo de retrato espiritual do Deus de Israel, que não podia ser retratado de uma forma física." [International Standard Bible Encyclopedia].
Assim como a Arca da Aliança teve um grande papel nos primeiros tabernáculos e nos templos, assim também terá um grande papel no vindouro templo reconstruído — o templo que servirá ao Anticristo durante os primeiros anos do Período da Tribulação. Sendo assim, no tempo imediatamente após o aparecimento do Cristo maçônico, todas as preparações necessárias para reconstruir o templo serão de conhecimento comum. Ficamos sabendo que judeus ortodoxos usaram computadores para calcular exatamente quem é da tribo sacerdotal de Levi; ouvimos dizer que esses homens selecionados estão sendo treinados no sistema do Velho Testamento de adoração com sacrifícios no templo, que as vestes estão fabricadas, e que até as pedras para o templo já estão cortadas.
Se todos esses preparativos foram completados, a hora para a "descoberta" da Arca da Aliança estaria logicamente muito próxima. E, essa foi exatamente a notícia de algumas semanas atrás, não foi?
Agora é o Tempo de Descobrir a Arca da Aliança

A ARCA DA ALIANÇA


Roma, 17 giu. (Adnkronos) - Presto il mondo potrà ammirare l'Arca dell'Alleanza descritta nella Bibbia come il contenitore delle Tavole della Legge che Dio consegnò a Mosè e al centro, nei secoli, di ricerche e studi. (Breve o mundo admirará a Arca da Aliança descrita na Biblia como recipiente das tábuas da Lei que Deus entregou a Moisés, resultado de séculos de busca e de estudos)

Il Patriarca ortodosso, Abuna Pauolos vuole svelare il millenario segreto e in un'intervista esclusiva all'ADNKRONOS spiega: ''Sono maturi i tempi per dire la verità". Ad Axum sorgerà un museo per il simbolo sacro. (O Patriarca Ortodoxo Abuna Paulos quer revelar o milenar segredo em uma entrevista exclusiva a ADNKronos e explica que é tempo de dizer a verdade ao mundo, explicando também que é necessário construir um museu para o símbolo sagrado.)

Lo ha detto in un'intervista video esclusiva all'ADNKRONOS, visibile sul sito Ign, testata on line del sito Adnkronos (www.adnkronos.com), il Patriarca della Chiesa ortodossa d'Etiopia Abuna Pauolos, in questi giorni in Italia per il 'G8 delle Religioni', e che domani incontrerà il Papa Benedetto XVI per la prima volta e al quale, "se lo chiederà - ha proseguito il Patriarca - racconterò tutta la situazione attuale dell'Arca dell'Alleanza". (A entrevista está visível no site http://www.adnkronos.com/ em que o patriarca da Igreja Orotodoxa da Etiópia Abuna Paulos neste dia na Italia falando para o grupo grupo oito das religiões e ao Papa Bento 16 com o qual pediu o patriarca que dirá a localização e as condições da Arca da Aliança).

"L'Arca dell'Alleanza - ribadisce Pauolos - si trova in Etiopia da molti secoli. Come patriarca l'ho vista con i miei occhi e soltanto poche persone molto qualificate hanno potuto fare altrettanto, finora". Secondo il patriarca è custodita in una chiesa, ma per difendere quella autentica, una copia del simbolo religioso e' stata collocata in ogni chiesa del Paese. (A Arca da Aliança encontra-se na Etiópia por muitos séculos, e eu a vi com meus próprios olhos e poucas pessoas a viram até agora. A Arca é guardade em uma Igreja central, mas várias cópias dela são vistas em todas as Igrejas do país.)

L'annuncio ufficiale che l'Etopia consegnerà al mondo le chiavi del segreto millenario dell'Arca, verrà dato venerdì prossimo nel corso di una conferenza stampa alle 14 all'Hotel Aldrovandi a Roma dallo stesso Patriarca ortodosso d'Etiopia, insieme al principe Aklile Berhan Makonnen Haile Selassie, e al duca Amedeo D'Aosta, che sarà a Roma già domani mattina. (A noticia oficial que a Etiópia entregará ao mundo as chaves do segredo milenar da Arca da Aliança foi dada numa conferencia de imprensa pelo patriarca ortodoxo da Etiópia ao principe Aklile Berhan Makonnem e ao duque Amedeo D’Aosta em Roma.)

sexta-feira, 26 de junho de 2009

A ARCA DA ALIANÇA

Abune Paulos, o líder da Igreja Ortodoxa da Etiópia, está na Itália onde confirmou que a Arca da Aliança, descrita no Antigo Testamento, se encontra no seu país e que ele já a viu.
Segundo o Patriarca, chegou a altura do mundo ter mais acesso à Arca que, garante, se encontra em bom estado, uma vez que “não foi feita por mãos humanas, mas é uma coisa abençoada por Deus”.
Estará em estudo a ideia de construir um museu onde eventualmente a arca possa ser exposta, mas qualquer decisão teria que passar primeiro pelo Santo Sínodo da Igreja da Etiópia.
Segundo Paulos, uma decisão será anunciada na próxima sexta-feira, informa o portal italiano ADNKronos.
A Etiópia é o país independente cristão mais antigo do mundo, e foi um dos primeiros a adotar o Cristianismo como religião oficial. A esmagadora maioria dos cristãos pertencem à Igreja Ortodoxa, uma das que se separou da Igreja Universal por altura do Concílio de Calcedónia, e não se encontra em comunhão nem com Roma, nem com as Igrejas Ortoxas bizantinas, como as do Leste da Europa.
Uma tradição muito antiga assegura que a Arca da Aliança foi transportada para a Etiópia por um filho do Rei Salomão e da Rainha de Sabá, e que permanece no país desde então. De fato, as referências à Arca, um objecto central ao culto judaico, desaparecem do Antigo Testamento por volta dessa altura.
Alegadamente a Arca encontra-se numa Igreja situada numa ilha no meio de um lago na cidade de Axum, a antiga capital da Etiópia. É guardada perpetuamente por um monge que apenas é substituído quando morre.
A Arca tem um peso enorme na tradição cristã etíope, e em todas as igrejas do país se encontra uma cópia que é transportada nas procissões religiosas.
Segundo o Antigo Testamento a Arca continha a presença viva de Deus. No seu interior encontravam-se os restos das Tábuas da Lei, as placas nas quais foram inscritos os dez mandamentos, e que Moisés quebrou no chão em fúria quando viu que o povo de Israel tinha construído um bezerro de ouro para adorar.
A falta de acesso à arca impede que a tradição etíope tenha alguma vez sido confirmada ou desmentida, algo que poderá mudar em breve.

VOCÊ CRÊ NO QUE VÊ?



Eliseu, o profeta, pediu a Deus em favor de seu ajudante, o seguinte:
“Senhor, abre-lhe os olhos, para que veja que mais são os que estão conosco do que os que estão com eles”.
Jesus perguntou a Seus discípulos quando estava sendo preso:
“Ou não crêem que se eu pedisse meu Pai não enviaria legiões de anjos?”
Também é Jesus quem diz:
“Eu vi Satanás cair do céu como um relâmpago!”
E diz mais:
“Em verdade vos digo que os anjos dos pequeninos vêem a face de meu Pai, em favor deles, de dia e de noite”.
E, na mesma toada, vêm dezenas de outros textos, tanto da Antiga Aliança quanto da Nova, todos garantindo que entre nós e o que vemos, existem milhares de forças e poderes que não vemos.
Desse modo, percebemos apenas uma porção extremamente pequena da realidade. E digo não apenas acerca da realidade que vemos [da qual somos quase totalmente ignorantes], mas, sobretudo, da realidade invisível, a qual somente pode ser acessada pela fé, e que é muito mais lotada de vida do que o mundo que vemos.
Eu sei que estou sendo visto o tempo todo. Visto por anjos, demônios e muitas criaturas que não vejo. Não as vejo, mas sei que existem; e sei que me conhecem...
Para não irmos muito longe..., basta dizer de modo reduzido que Jesus e Paulo viam muito mais o mundo que não se vê do que o mundo que se vê.
Ora, quem perde esse sentido das coisas..., mas insiste em dizer que vê, se assemelha a um cego que se oferece para dar aula em classe de cirurgia oftalmológica.
Não é possível ler o Novo Testamento é continuar não aceitando que a fé em Jesus é cheia de seres invisíveis, de lutas, de confortos e de socorros espirituais.
Quem pensa que lida apenas com o que se vê faz-se presa fácil de tudo o que existindo não se vê.
Daí Paulo dizer que nossa luta maior não é contra o que se vê, mas contra o que se não vê, e que se manifesta de modo perversamente organizado no mundo, na forma de Principados, Potestades, Poderes, Tronos, e Soberanias diversas...
Mas a maioria prefere crer que o mundo é feito, em seus maiores poderes, de Osamas e Obamas...
Não! Os Osamas e os Obamas são apenas pequenos coadjuvantes em uma trama muito mais sofisticada, para qual ambos estão igualmente cegos...
Ah, quem dera nossos olhos se abrissem para vermos tudo o que está rolando nas regiões invisíveis...
Então, veríamos como nossas ações, pensamentos, eleições de importância, causas, valores, significados, etc. — repousam sobre muito do engano que nos é administrado por tais poderes espirituais.
Eu ousaria dizer que se os nossos olhos se abrissem talvez percebêssemos que 99% do que chamamos de importante sejam apenas imposições do mundo dos manipuladores espirituais.
A grande especialidade desses seres, quando são hostis, é distrair a nossa existência em relação ao que seja o real sentido de viver.
Ora, Jesus disse que eles não somente influenciam, mas também disse que eles podem habitar mentes e possuir pessoas, que, pela entrega, tornam-se um com tais forças...
É por esta razão que o convite é para que se ponha o capacete da salvação, se vista a couraça da Justiça de Jesus, se calce os pés com o Evangelho da paz, se empunhe a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus, e que se tenha sempre o escudo da Fé, com qual se pode apagar as setas inflamadas e envenenadas desses poderes hostis; e isso sempre vestindo a verdade como roupa intima do ser.
Quem não tiver tais percepções não sobreviverá nos dias maus que se avizinham do mundo.

Nele, que nos ordenou que andássemos vigilantes,

Caio
23 de junho de 2009

terça-feira, 9 de junho de 2009

QUEM PODE ENTENDER O CAMINHO DE UM HOMEM


Há três coisas que são maravilhosas demais para mim; sim, há quatro coisas que não entendo: o caminho da águia no céu, o caminho da cobra na penha, o caminho do navio no meio do mar, e o caminho de um homem com uma mulher.

A confissão da Sabedoria no livro de Provérbios nos diz que um dos mais indevassáveis mistérios humanos nesta existência é o caminho de um homem com uma mulher.
Quando há amor, encontro, desejo, vínculo, irmandade, jugo existencial dividido justa e harmonicamente; quando o que os vincula é mais forte do que a morte; quando dois se fazem um em uma simbiose sadia; quando suas mentes vão se tornando uma só; quando seus sonhos na vida se tornam comuns; quando seu tesouro é um ter o outro; quando até os filhos são menos do que os dois são um para o outro; quando até os desencontros os aproximam mais... — então, diz a Sabedoria, se está diante de um mistério...: o caminho de um homem com uma mulher...
O que faz tal encontro que faz encontrar... acontecer como encontro real e definitivo?
Ora, é na confissão de ignorância que a Sabedoria lança luzes sobre o fenômeno...
Sim, é pelas coisas que são maravilhosas demais para serem entendidas [três coisas...] que o sábio busca luz para melhor discernir o mistério mais profundo, que é mais que “maravilha”..., sendo de fato aquilo que não entendemos...: o caminho de um homem com uma mulher.
Dentre as coisas maravilhosas demais, diz o sábio, há três que o deixam perplexo...
O caminho da águia no céu...
É caminho altaneiro, com direção e objetivo, com olhar que vê ao longe, com visão perspectiva e prospectiva, com intenção de trazer comida ao ninho, com o instinto de que os bens ganhos devem ser divididos com quem espera por nós no ninho feito nas alturas da esperança...
Além disso, é um caminho leve, entregue ao vento, capaz de planar, de se deixar levar, de descansar no tapete do vento enquanto olha o que pode ser alimento e vida...
Desse modo, o caminho da águia no céu é feito de direção e objetividade de propósitos, tanto quanto é feito de leveza e de confiança no vento; e mais: leva em si o paradoxo de ser objetivo e, ao mesmo tempo, leve e solto...
O caminho da cobra na penha...
É caminho na rocha, por isto é uma vereda sem marcas e sem pegadas... Não há rastros... Não há manchas para trás... Sim, as marcas são as da não marcas... Sim, trata-se da vereda que não traumatiza e não assusta para o mal... Não há surpresas... Não há marcas “paralelas”... De fato, não há pegada alguma...
O caminho do navio no meio do mar...
É o caminho de quem não se assusta com as vagas, os vagalhões, com as ondas gigantes, com os monstros marinhos, e com o abismo...
Sim, é caminho que se guia [no passado...] apenas pelos céus, pelos mapas escritos nas estrelas, pelas veredas feitas de marcas superiores; acima, fixas, imutáveis...; e, por isto, mesmo não entendendo o mar, o marinheiro de três mil anos atrás singrava a morte dos oceanos apenas olhando para os céus...
Ora, são essas “maravilhas” que iluminam o mistério do caminhar entre um homem e uma mulher...
Sim, pois o caminho de um homem com uma mulher não é para ser entendido ou anatomizado...
Não! O caminho de um homem com uma mulher é para ser vivido, não para ser explicado...
Aliás, relações que se explicam muito têm quase sempre nada em si mesmas...
Os vínculos que perduram são os que estão para além de qualquer explicação humana...
É!... São... Basta ser...
Entretanto, embora eu não entenda o caminho de um homem com uma mulher, sei, todavia, que seu modo é como o da águia no céu, como o da cobra na rocha e como do navio solto no meio do oceano há mais de três mil anos...
Portanto, o que faz possível o misterioso caminho de um homem com uma mulher, à semelhança da vereda da águia, é sua decisão de caçarem juntos, de buscarem as mesmas coisas, de se referenciarem pelo mesmo monte, pelo mesmo ninho, pelos mesmos filhos, pela mesma noção intrínseca de objetivo, propósito e direção... Isto, ao mesmo tempo em que se confia também no vento, no improviso, na flexibilidade, nas correntes de ar, na leveza enquanto de busca o objetivo comum...
Do mesmo modo o caminho de um homem com uma mulher não se explica, mas se maravilha ante a possibilidade de se viver uma vida sem marcas alheias, sem manchas, sem passado ou presente de traição, sem mágoas, sem trilhas estranhas...
Quem anda na rocha não deixa marcas para trás...
Quem, como uma cobra, anda na rocha, menos marcas ainda deixará para trás...
Assim, o caminho de um homem com uma mulher será tão mais misterioso quanto mais limpo e simples ele seja...
Além disso, o caminho de um homem com uma mulher é apenas possível ante a escuridão dos fatos, da vida, da turbulência da existência, das vagas imensas e das subitezas de toda sorte de tempestades... — se o caminho for feito acima do imediato e dos seus monstros inevitáveis; e isso só é possível quando os “marinheiros” desta travessia olham e se guiam apenas pelos sinais dos céus...
Havendo tais coisas, apesar de misterioso e inexplicável, o caminho de um homem com uma mulher será possível...
Sim, com direção e leveza, com andar limpo e sem marcas e manchas, com orientação que transcenda os tumultos do imediato e de seus oceanos de perigo...
Ora, sem tais coisas não vale a pena entregar-se à aventura...
Seria como uma águia sem rumo e sem direção...; como uma cobra na lama, atolada e cheia de marcas de suas revolvencia...; ou como um navio antigo, há milhares de anos, insistindo em viajar por mares perversos sem olhar para o único meio possível de orientação: os céus!...
Hoje, muitos querem o caminho de um homem com uma mulher, mas, sem a direção comum, sem a leveza no processo, sem a limpeza no andar, sem os céus a guiar...
Portanto, o que tais pessoas têm é apenas a rapinagem da águia sem ninho e sem compromisso com filhotes e com aquela que deles cuida; sem a honra de um caminhar que não tem o que esconder; sem o olhar superior que vence o mundo... — e, apesar de nada disso haver neles e para eles..., querem assim mesmo que o caminho seja maravilhoso, misterioso e lindo...
Sem direção e leveza, sem pureza e simplicidade, sem os mapas do céu... — o que sobra é o abismo, não o mistério...
Não se deve brincar com tais coisas...
Loucos ou loucas são todos aqueles que dão as mãos para fazerem a viagem juntos..., mas sem o compromisso com os objetivos comuns e com leveza do fazer; sem a pureza do andar, e sem o mapa superior, que, para nós, é o Evangelho: único caminho seguro para que alguém se atreva a atravessar os oceanos...
Esta viagem... é apenas para aquele que tem no coração as veredas superiores, o caminho de cima...
É assim que é...
E quem não andar assim, não deve tomar ninguém pela mão e propor viagem alguma...
Sim, que pelo menos se perca..., se suje... e se abisme sozinho pelas vias da existência..., mas não leve uma vítima para o nada...

Nele, em Quem e de Quem vem tal sabedoria,

Caio
7 de junho de 2009
Lago Norte
Brasília
DF