segunda-feira, 17 de agosto de 2009

FIZERAM DA CASA DE MEU PAI COVIL DE SALTEADORES

Quase todo mundo sabe que 90% das igrejas evangélicas que pipocam por toda parte são abertas para ser um negócio e meio de vida para seus "pastores" e famílias. Todas elas acabam prestando algum apoio psicológico, material e até espiritual aos carentes de todos os tipos; e isso é positivo e benemerente.
Mas o problema é que a imensa maioria de pretensos missionários inaugura suas igrejas pensando em parar de trabalhar e a viver de desviar dízimos e ofertas. Apenas uma minoria se empenha por motivação espiritual autêntica e desinteressada.
A grande maioria desses picaretas começa da seguinte forma: alugam um salão ou até garagem em alguma periferia carente, compram terno e Bíblia, chamam familiares para serem diáconos, missionárias e até bispas (!), e, como bons vendedores, fixam sua marca e começam a pregar para atrair fiéis. Muitos exibem diplomas fajutos de teologia e adoram usar anéis de formatura, mesmo que falsos.
É comum usarem artifícios para atrair mais seguidores e fama. Um deles é o de pagarem para indivíduos testemunharem que foram curados de doenças ou que receberam outros milagres. Sendo alguns desses verdadeiros atores, que em pleno culto deixam suas muletas caírem ou levantam-se de cadeiras de rodas, para o espanto e regozijo de todos os fiéis.
Outro artifício é o de levarem diante dos seus crentes supostos abençoados pelo Senhor; os quais declaram publicamente estarem doando carros, imóveis e gordas quantias para "Jesus". Ora, quem não fica compelido a doar alguns trocados? Bancar o mão-de-vaca com Jesus? Jamais!
Com o crescimento do negócio, tais "pastores" passam a justificar perante seus fiéis, seus carros e casas luxuosas como "bênçãos dos céus" ou "dádivas do Senhor", e todos alegremente vão dizendo amém a isso. Segue-se, então, a consolidação do negócio, pelo envolvimento com empresários e políticos convenientes. E daí por diante, o céu é o limite em termos de desvios, enriquecimento e estelionato em massa; passando por dólares dentro de Bíblias, patrocínio por jogadores famosos, lavagem de dinheiro criminoso e até haras de cavalos árabes na Califórnia.
Visite uma dessas grandes griffes evangélicas e comprove a sensação de se estar num shopping center da fé, com incisivos pedidos de ofertas, venda aberta de CDs, livros, excursões organizadas, vagas em pousadas de "irmãos", TV a cabo, revistas, cartões de crédito, DVDs e outras coisas mais.
O problema é que toda essa riqueza desviada deveria estar sendo canalizada para ações sociais de todo tipo aos carentes. Aí sim as igrejas estariam cumprindo seu papel, e a face de nossa miséria poderia ser hoje muito melhor; justificando a atual isenção de tributos com que essas igrejas são agraciadas.
Diante da realidade escabrosa, essa isenção deve ser cancelada e a mão do Estado deve apropriar-se desses recursos, secando assim o "mar de bênçãos" dos pilantras da fé, fechando em conseqüência, milhares de templos-empresa por todo o Brasil, à despeito da rica e corrupta bancada evangélica no Congresso.
Publicado em 17/08/2009 pelo(a) wiki repórter Cesar, São Paulo-SP.
’O pior de tudo é que este tipo de comentário pipocou por todos os lados diante da imensidão de escândalos que os falsos profetas produzem. Os pastores de bem, homens de Deus estão sendo desacatados por gente ignorante em toda a parte pagando um preço caríssimo por culpa de algumas Igrejas que estão estabelecidas no Brasil e no mundo. Estão usando os erros dos falsos pastores como chicote para bater nos homens de Deus que tenho certeza estão espalhados pelo Brasil afora e até por todo o mundo. Até mesmo membros da Igreja mais corrupta do mundo, o romanismo, estão se sentindo no direito de nos agredir, eu próprio já sofri tal agressão, mas reagi como homem de Deus e pisei na cabeça de Satanáz’’. O grifo é meu, (Pastor Jorge Pires).

Nenhum comentário:

Postar um comentário